Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/3530
Título: Os vazios silenciosos no coração dos super-heróis: comunicação, alegoria e dispersão
Autor(es): EUFRAUSINO, Cláudio Clécio Vidal
Palavras-chave: Comunicação filosófica; Alegorias; Narrativas de super-heróis; Sistema de dispersão
Data do documento: 2006
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Clécio Vidal Eufrausino, Cláudio; Carneiro da Cunha Filho, Paulo. Os vazios silenciosos no coração dos super-heróis: comunicação, alegoria e dispersão. 2006. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Comunicação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2006.
Resumo: objetivo deste trabalho é investigar a narrativa dos super-heróis (tanto em quadrinhos quanto em desenhos animados) como espaço de manifestação de versões apócrifas, ou não-oficiais, do discurso filosófico. Damos destaque ao debate acerca da razão. A idéia é estudar as implicações envolvidas na relação dialética entre o discurso oficial do campo da Filosofia e o lado B deste discurso quando se manifesta nas histórias de super-heróis. Pesquisamos também como tal manifestação cifrada ou discurso das vozes socialmente silenciadas relaciona-se com a noção de alegoria desenvolvida por Walter Benjamin. Ao fazermos isso, estamos nos deparando com um campo de estudos que tem sido, como lembra Foucault, posto de escanteio: o estudo das contradições. Deixamos de tratá-las como sinônimo de erro e falta de lógica, para estudarmos como elas se configuram em torno de um sistema para expressar sentido. Desta forma, aproximamo-nos da teoria de Foucault sobre os sistemas de dispersão, ao analisarmos as histórias de super-heróis (a epopéia contemporânea) como uma das manifestações desse sistema. Trabalhamos a hipótese de que a alegoria, não mais entendida como mero recurso estilístico, anda de mãos dadas com o sistema de dispersões. Outro elemento sobre o qual refletimos é como discurso oficial e discurso apócrifo relacionam-se ao conflito entre as forças pró-unidade e pró-dispersão do sentido nas representações. A hipótese é de que este conjunto de relações é mediado por duas modalidades de comunicação, respectivamente: a informacional e a intersemiótica. Conforme a prevalência de uma dessas modalidades, a tendência é diminuir ou aumentar o espaço da contradição, e, por conseguinte, da dispersão, nas representações. O que está em jogo neste conflito entre os modos de comunicação é a manutenção ou revogação de elementos do sistema ou status quo. Além disso, entra em jogo a delimitação socialmente dada entre simbólico e alegórico, entre real e fantasia
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/3530
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Comunicação

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo4766_1.pdf10,21 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.