Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/3496
Título: Requalificação urbana, desenvolvimento e liberdade: o conjunto habitacional da Torre
Autor(es): PORDEUS, Marta Santa Cruz
Palavras-chave: Desenvolvimento;Habitação;Liberdade
Data do documento: 2006
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Santa Cruz Pordeus, Marta; Ângela de Almeida Souza, Maria. Requalificação urbana, desenvolvimento e liberdade: o conjunto habitacional da Torre. 2006. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Urbano, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2006.
Resumo: Esta dissertação procura identificar e mensurar os benefícios em termos de melhoria de qualidade de vida e de aumento das liberdades reais de que dispõem os beneficiários do Projeto Beira Rio, implantado pela Prefeitura do Recife para reassentamento habitacional de famílias oriundas de palafitas às margens do Rio Capibaribe, para o Conjunto Habitacional da Torre. O projeto foi implantado no âmbito do Programa Habitar Brasil/BID, de iniciativa do governo federal, com financiamento internacional pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Os requisitos deste programa ampliam as intervenções que até então vinham sendo promovidas pelo poder público visando a urbanização/reassentamento de assentamentos pobres, ao introduzir a exigência de fortalecimento do município promotor para atuar na melhoria desses assentamentos e, especialmente, ao tornar obrigatório programas de capacitação da comunidade e de promoção de trabalho e renda, visando a sustentabilidaude das famílias beneficiadas e do empreendimento. O estudo aqui desenvolvido parte do pressuposto de que os organismos internacionais de financiamento incorporam concepções de desenvolvimento que têm se ampliado desde a década de setenta, com as preocupações ambientais e suas correlações com as questões de desigualdade social, e, a partir dos anos noventa, passam também a ser concebidos como ampliação das liberdades das pessoas de usufruir e optar por uma vida digna, o que exige um comprometimento social para inclusão daqueles que vivem em pobreza. As diversas formas de capital social, humano, institucional, sinergético são entendidas como recursos que podem ser estimulados ou diminuídos e que as comunidades podem dispor na tentativa de alcançar a sustentabilidade de seus modos de vida, bem como a de um projeto que pretende a melhoria da sua qualidade de vida. Buscando cotejar essas idéias com os resultados obtidos com a implantação do Projeto Beira Rio, este estudo analisa a remoção de famílias que antes viviam em condições de absoluta precariedade e constata a dificuldade de sustentabilidade do projeto implantado pela inexistência de mudança nas formas de subsistência dos beneficiários do programa, pela dificuldade destes arcarem com o ônus da nova moradia e por uma progressiva elitização dos moradores, representada por um índice de onze por cento de repasses realizados para um público de uma faixa de renda mais elevada, e por uma declaração de setenta e oito por cento dos entrevistados da impossibilidade de arcar com as novas despesas. O desemprego crônico, a deficiência de acesso à educação características da pobreza estrutural não são atingidos por este programa, que apenas ataca suas manifestações pontuais
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/3496
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Desenvolvimento Urbano

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo5397_1.pdf6,34 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.