Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/3287
Título: Obtenção e padronização química e biológica de pós de plantas medicinais de diferentes tamanhos de partículas
Autor(es): Pinto Correia, Lidiane
Palavras-chave: Passiflora edulis; Erythrina velutina; Tamanho de partícula; Ensaio do efeito ansiolítico e citotoxicidade
Data do documento: 31-Jan-2011
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Pinto Correia, Lidiane; Oliveira Macêdo, Rui. Obtenção e padronização química e biológica de pós de plantas medicinais de diferentes tamanhos de partículas. 2011. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2011.
Resumo: A RDC 10/10, visa à padronização e o aumento da qualidade do uso popular de drogas vegetais, a exemplo da Passiflora edulis e da Erythrina mulungu, que são plantas utilizadas no tratamento da ansiedade. A distribuição granulométrica das drogas vegetais em pós deve ser considerada para caracterização física, química e biológica. O objetivo desse trabalho foi obter e padronizar pós de plantas medicinais com diferentes tamanhos de partículas de P. edulis e E. velutina e compará-los através de ensaios analíticos e bioensaios. Utilizou-se a microscopia eletrônica de varredura (MEV), termogravimetria (TG), análise térmica diferencial (DTA) e pirólise acoplada à cromatografia gasosa/espectrometria de massa (Pir-CG/EM), para caracterizar a morfologia e tamanho de partículas de drogas vegetais, decomposição térmica e análise da impressão digital. Para observar a atividade farmacológica do efeito ansiolítico do pó das drogas em diferentes tamanhos de partícula foi utilizado o ensaio de labirinto em cruz elevado. A citotoxicidade foi avaliada através do teste de vermelho neutro, investigando-se a viabilidade celular da linhagem celular NCTC 929. As imagens obtidas através da MEV detectaram divergências do resultado esperado pelo processo de granulometria. Os valores medianos e os limites inferiores e superiores mostraram a seguinte distribuição de tamanhos de partículas por amostra, MUF 01 (mulungu folha) 573,1 μm, variando de 234,2-1000 μm; MUF03 307,8 μm, variando de 236,2-854,1 μm e MUF05 62,3 μm, variando de 44,3-89,5 μm, respectivamente. Os perfis das curvas TG dinâmicas para MUF01, 03 e 05 foram distintas, para as partículas de diferentes tamanhos em atmosfera de N2 e de ar sintético, decompondo-se em três e quatro etapas, respectivamente. A perda de massa final foi crescente com a diminuição do tamanho das partículas para análises em N2, sendo de 69%, 79% e 82%, para MUF01, MUF03 e MUF05, respectivamente. As amostras MA01 e MA04 apresentaram três etapas de decomposição em atmosfera inerte. A 900 °C em atmosfera de nitrogênio a amostra MA04 manteve o resíduo em um valor maior que MA01. A média das energias obtidas por DTA para MA01 e MA04 foi de 8,7 e 11,5 μV. As temperaturas e as energias observadas por DTA para MUF e MUC foram: 335; 344; 354; 363 e 380 °C, com energias de 8,3; 9,3; 9,7, 10,1 e 9,7 uV para MUF01; 1,8; 2,5; 3,4; 3,7 e 4,15 uV para MUF 03 e 10,2; 11,3; 12,5, 14,0 e 13,4 uV para MUF05. Os pirogramas relativos às diferentes temperaturas e amostras de E. velutina mostraram-se possíveis de identificar cada uma das substâncias através dos seus tempos de retenção, conforme dados a seguir: Limoneno de 4,3-4,3 min; 1-Nonadeceno de 10,5-10,5 min; Neoftadieno 2,6,10- Trimetil, 14 de 11,3-11,3 min e 3- Eicosino de 11,6-11,6 min. As citotoxicidades dos pós das folhas de Passiflora edulis e folhas e cascas de Erythrina velutina demonstraram que as partículas apresentaram DL50 de 62,4; 42,5; 29,9 e 29,7 mg mL-1 para MA01,02,03 e 04, respectivamente. Para MUF 01,03 e 05 a DL50 foi de 50,08; 49,01 e 37,38 mg mL-1; e para MUC (mulungu casca) 02, 04 e 05 foi de 72,5; 66,7 e 53,0 mg mL-1, demonstrando citotoxicidade crescente de acordo com a diminuição do tamanho das partículas do pó. Quanto ao efeito ansiolítico, o ensaio de labirinto em cruz elevado demonstrou diferenças entre as amostras MA01 e MA04, nos tempos de permanência e número de entradas nos braços abertos e fechados. Os dados farmacológicos da E. velutina folhas e cascas mostraram diferentes atividades ansiolíticas para os diferentes tamanhos de partículas. Amostras de drogas vegetais em diferentes granulometrias demonstraram diferenças físicas, químicas e biológicas entre as amostras, de acordo com os parâmetros estudados
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/3287
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Ciências Farmacêuticas

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo2745_1.pdf2,28 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.