Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/3275
Título: Tradição e ruptura no audiovisual: Um estudo de linguagem do vídeo popular em Pernambuco na década de 1980
Autor(es): BEZERRA, Cláudio Roberto de Araújo
Palavras-chave: Comunicação de massa e cultura; Jornalismo; Mikhail Bakhtin
Data do documento: 2001
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Roberto de Araújo Bezerra, Cláudio; Carneiro da Cunha Filho, Paulo. Tradição e ruptura no audiovisual: Um estudo de linguagem do vídeo popular em Pernambuco na década de 1980. 2001. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Comunicação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2001.
Resumo: Este trabalho é um estudo de linguagem dos vídeos populares de Pernambuco produzidos na década de 1980. Analisamos dois programas, Quem vê a cara vê a AIDS e A nossa história e a história de Cabo Gato, realizados por grupos distintos e em diferentes processos de produção, para identificar elementos comuns que compõem a materialidade expressiva deles. Trata-se de um estudo interdisciplinar, fundamentado a partir de três categorias de análise do filósofo russo Mikhail Bakhtin: dialogismo, polifonia e carnavalização. De acordo com os dados levantados e analisados na pesquisa, constatamos que os programas foram realizados a partir de dois modelos de produção, videoprocesso e videoproduto, que implicavam um determinado grau de dependência em relação aos movimentos sociais e objetivos específicos quanto ao uso do vídeo numa perspectiva social. Em termos de linguagem, o vídeo popular pernambucano seguiu as tendências da arte contemporânea e mostrou-se essencialmente híbrido, pois a sua materialidade expressiva se constitui a partir do diálogo e da contaminação entre o erudito, o massivo e o popular. Constatamos, também, que a produção de vídeos populares, em Pernambuco, surgiu da iniciativa de setores médios da população, mais ou menos articulados com os movimentos sociais. Ao mesmo tempo em que procurava dar visibilidade positiva às lutas populares, então pouco divulgadas nos mass media, os grupos de realizadores também revelaram aspectos do cotidiano e da cultura dos setores menos favorecidos da população, contribuindo para o fortalecimento de identidades locais e o crescimento da auto-estima
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/3275
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Comunicação

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo4447_1.pdf698,62 kBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.