Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/3238
Título: Barreiros, cidade afetiva - um estudo sobre as relações afetivas das pessoas com a cidade a partir de escritos memorialistas barreirenses
Autor(es): Rodrigo Coêlho de Carvalho, Marcio
Palavras-chave: Cidade;Memória;Afetividade
Data do documento: 31-Jan-2009
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Rodrigo Coêlho de Carvalho, Marcio; Leitão Santos, Lúcia. Barreiros, cidade afetiva - um estudo sobre as relações afetivas das pessoas com a cidade a partir de escritos memorialistas barreirenses. 2009. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Urbano, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2009.
Resumo: A cidade não pode ser apreendida apenas pela sua dimensão política, econômica e administrativa. Palco da vida humana reserva também outras dimensões tão vitais e integrantes de sua realidade quanto estas referidas. Dentre os variados enfoques, há inclusive os de expressões da subjetividade estabelecidos pela experiência do sujeito em seu espaço habitado. Vários campos disciplinares afins ao Desenvolvimento Urbano, além do repertório que é próprio da Arquitetura e Urbanismo, têm, ultimamente, trazido à tona tais concepções. Neste sentido, buscou-se dissertar a respeito das relações afetivas das pessoas com a cidade e tem como estudo a cidade dos Barreiros, em Pernambuco. Procurou-se identificar os marcos e lugares representativos para a memória da população barreirense e apreender a significação e os sentidos destes espaços identificados amparados pela afetividade. Nos resultados, são apresentadas narrativas a partir da interpretação das fontes memorialistas. Para tanto, foram utilizados os registros textuais dos músicos, poetas e escritores existentes nos Barreiros. O prévio conhecimento da maioria desses documentos, bem como a possibilidade variada de análise e da pertinência qualitativa de seu conteúdo favoreceram a sua eleição para os procedimentos metodológicos. Além de possuírem significação histórica e cultural, parte-se do pressuposto de que espaços afetivamente diferenciados são importantes pela constituição psíquica individual e pelo bem estar da coletividade, uma realidade que tem fugido do conhecimento do arquiteto e urbanista. E este profissional, todavia, necessita apreender a cidade também a partir do afeto e da memória e inserir em seu ofício cotidiano, para, enfim, aproximar cada vez mais seus estudos e práticas à condição do que é essencialmente humano
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/3238
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Desenvolvimento Urbano

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo2491_1.pdf5,3 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.