Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/3212
Título: Ensaios Toxicológicos Pré-Clínicos com Extrato Bruto Seco das Folhas de Petiveria alliacea Linné
Autor(es): Christine Cavalcanti Ximenes, Sarah
Palavras-chave: Petiveria alliacea;Phytolaccaceae;Toxicidade aguda;Toxicidade crônica;Artemia salina;Campo aberto
Data do documento: 31-Jan-2008
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Christine Cavalcanti Ximenes, Sarah; Sheila Higino, Jane. Ensaios Toxicológicos Pré-Clínicos com Extrato Bruto Seco das Folhas de Petiveria alliacea Linné. 2008. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2008.
Resumo: A Petiveria alliacea Linné, conhecida popularmente como tipim, guiné ou ainda, atipim; pertence a família Phytolaccaceae e se destaca pela atividade farmacológica no campo da infectologia, reumatologia e oncologia. O uso em rituais afro-brasileiros tem como objetivo afastar mau-olhado, maus espíritos, quebranto, entre outros. Em pesquisas nos cultos afro-brasileiros em Recife, guiné está entre as 10 plantas mais empregadas nos rituais. Este trabalho teve como objetivo avaliar a segurança do uso do extrato aquoso (EA) de Petiveria alliacea Linné em ratos. Para isso foram realizados a obtenção da concentração letal média (CL50) e os testes de toxicidade aguda por via oral (dose única de 4,0 g/kg) e crônica v.o. (doses de 12,36; 61,80 e 309,00 mg/kg). Obteve-se a CL50, indicando baixa toxicidade. Os resultados da toxicidade aguda não apresentaram sinais visíveis de toxicidade ou morte durante o período de tratamento. Os parâmetros hematológicos apresentaram pequenas flutuações na contagem de leucócitos, diferencial de eosinófilos e nos cálculos do VCM, HCM e hematócrito. Nos parâmetros bioquímicos destaca-se o aumento da ALT, sugerindo uma possível sobrecarga hepática. O estudo do efeito tóxico crônico da administração oral do extrato aquoso (EA) das folhas secas de Petiveria alliacea Linné foi investigado sobre parâmetros hematológicos, bioquímicos, comportamentais e histológicos em ratos Wistar, durante 90 dias consecutivos. Os resultados mostraram que não ocorreram sinais visíveis de toxicidade durante o período de tratamento e o EA estudado não alterou os parâmetros comportamentais. Os parâmetros hematológicos, bioquímicos e histológicos não foram modificados pela administração crônica do EA, excetuando-se uma pequena elevação dos níveis de uréia nos animais tratados com a dose mais elevada e grupo satélite nos ratos machos, e dose usual e satélite nas ratas fêmeas (13,6; 15,9; 18,9 e 20,4%, respectivamente); e ainda, um aumento de 17,9 e 24,8% para ALT nos ratos machos tratados com a dose mais alta e no grupo satélite. Conclui-se que a avaliação toxicológica aguda e crônica do extrato aquoso de Petiveria alliacea Linné não produziu efeitos tóxicos em ratos Wistar, entretanto, o aumento dos níveis de uréia e alanina aminotransferase sugerem inicialmente possível sobrecarga renal hepática
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/3212
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Ciências Farmacêuticas

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo2101_1.pdf2,51 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.