Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/3174
Title: Infecção do sítio cirúrgico em pacientes submetidas à cesárea com sutura uterina exteriorizada versus sutura in situ: ensaio clínico randomizado
Authors: COÊLHO, Isabela Cristina Coutinho de Albuquerque Neiva
Keywords: Útero;Cesárea;Parto abdominal;Técnicas de sutura
Issue Date: 2007
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Citation: Cristina Coutinho de Albuquerque Neiva Coêlho, Isabela; Antônio Bandeira Ferraz, Alvaro. Infecção do sítio cirúrgico em pacientes submetidas à cesárea com sutura uterina exteriorizada versus sutura in situ: ensaio clínico randomizado. 2007. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Cirurgia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2007.
Abstract: Objetivos: Comparar a sutura uterina extra-abdominal com a sutura in situ na cesárea. Métodos: Foi realizado um ensaio clínico randomizado no IMIP (Recife, Brasil). Os critérios de inclusão foram indicação de cesárea e idade gestacional > 24 semanas. Pacientes com duas ou mais cesáreas anteriores, corioamnionite, hemorragias, incapacidade para consentir e cirurgia abdominal prévia foram excluídas. As variáveis analisadas foram náuseas, vômitos, média do tempo cirúrgico, perda sangüínea estimada no intra-operatório, número de fios de sutura utilizados na histerorrafia, dor pósoperatória avaliada pela Escala Visual Analógica, número de doses de analgésicos utilizadas no pós-operatório, infecção do sítio cirúrgico, endometrite. Resultados: A análise incluiu 325 pacientes randomizadas para a sutura com o útero exteriorizado e 312 randomizadas para sutura uterina in situ. Encontrou-se uma diferença significativa entre os grupos em relação à duração da cirurgia menor que 45 minutos (44% com útero exteriorizado x 35,3% com útero in situ, p=0,02; número necessário para tratar= 12) e menor necessidade de fios de sutura (18,2% requerendo um fio com útero exteriorizado x 11,9% com útero in situ, p=0,03; número necessário para tratar= 16). A freqüência de dor moderada ou grave com seis horas após a cirurgia foi maior em mulheres com útero exteriorizado (23,1%) quando comparadas àquelas com sutura uterina in situ (32,6%) (p=0,026; número necessário para tratar= 11). Não houve diferença entre os grupos em relação a outras variáveis. Conclusões: não houve diferença significante entre as técnicas de sutura uterina exteriorizada ou in situ na cesárea, mas o número de fios de sutura utilizados é menor, assim como o tempo cirúrgico, em mulheres submetidas à técnica com útero exteriorizado, embora dor moderada ou greve tenha sido menos freqüente com o útero in situ
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/3174
Appears in Collections:Teses de Doutorado - Cirurgia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
ICNC.pdf1.21 MBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.