Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/3142
Título: Repercussões histológicas da esquistossomose mansônica em fêmur de camundongos
Autor(es): Vasconcelos Mesquita, Gerardo
Palavras-chave: Esquistossomose mansônica;Conteúdo mineral ósseo;Camundongos;Histologia
Data do documento: 2006
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Vasconcelos Mesquita, Gerardo; Teixeira Brandt, Carlos. Repercussões histológicas da esquistossomose mansônica em fêmur de camundongos. 2006. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Cirurgia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2006.
Resumo: A esquistossomose mansônica continua um problema mundial, sendo preocupante o número de portadores da forma hepatoesplênica, que apresenta como fator principal de morbidade a hipertensão porta. A densitometria tem sido usada como forma de avaliar a presença de comprometimento ósseo concomitante. Foram constatados hipodesenvolvimento, déficit de conteúdo mineral ósseo (BMD) e alterações da reserva funcional hepática interferindo no metabolismo dos íons cálcio e magnésio; sendo possível que tais alterações sejam também encontradas na estrutura do osso. O objetivo desta pesquisa foi avaliar histomorfometricamente as repercussões da esquistossomose mansônica no s fêmures de camundongos infectados. Foi realizada análise microscópica, descrevendo-se o as alterações histológicas, levando-se em consideração as alterações das áreas de osso e das trabéculas, antes e decorridos 120 dias da infestação. As áreas foram medidas por aerofotogrametria e planimetria. Utilizou- se o teste t de Student para avaliação de diferenças entre médias. As médias das áreas trabecular e óssea foram mais elevadas no grupo infectado, todavia, a diferença foi significante apenas para a área óssea (p < 0,05). Pode- se concluir que as médias das áreas ósseas e trabecular dos cortes dos fêmures dos camundongos infectados foram maiores, quando comparada à do gr upo controle. A provável explicação para este achado é a evidente reorganização na arquitetura óssea das lâminas estudadas; caracterizada pela presença de atividade osteoblástica com redirecionamento celular ao redor das trabéculas ósseas visualizada em todas as lâminas dos animais infectados. Isto sugere uma tentativa de reparação óssea na área medular. A ausência de osteoclastos nas preparações de lâminas dos animais infectados demonstrou que o mecanismo de desmineralização, que se percebe, não é induzido pela osteoporose clássica. Fica indefinido o mecanismo que aciona o processo de remodelação óssea, uma vez que o mecanismo conhecido está diretamente relacionado com a presença de osteoclastos na área afetada
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/3142
Aparece na(s) coleção(ções):Teses de Doutorado - Cirurgia

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo5585_1.pdf1,52 MBAdobe PDFVer/Abrir
arquivo5585_2.pdf9,23 MBAdobe PDFVer/Abrir
arquivo5585_3.pdf9,5 MBAdobe PDFVer/Abrir
arquivo5585_4.pdf5,91 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.