Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/3088
Título: Resposta terapêutica e inflamatória de ratos com infecção peritoneal submetidos ao uso tópico de Ampicilina/Sulbactam
Autor(es): Kreimer, Flavio
Palavras-chave: Infecção peritoneal
Data do documento: 2004
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Kreimer, Flavio; Moura Lacerda, Claudio. Resposta terapêutica e inflamatória de ratos com infecção peritoneal submetidos ao uso tópico de Ampicilina/Sulbactam. 2004. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Cirurgia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2004.
Resumo: A peritonite aguda representa uma importante causa de sepsis e óbito nas unidades de terapia intensiva e cirurgia. Classicamente o seu tratamento deve incluir: a administração sistêmica de antibióticos, a remoção mecânica dos contaminantes e a restauração da integridade gastrintestinal. A utilização de antibióticos diretamente na cavidade peritoneal é controversa. Com objetivo de avaliar o uso terapêutico, intraperitoneal da ampicilina associada ao sulbactam, foram mensurados os níveis plasmáticos do óxido nítrico, bem como a contagem de eosinófilos, linfócitos, monócitos e neutrófilos no sangue e no lavado peritoneal, utilizando-se modelo de peritonite em ratos (ligaduratransfixação cecal). Vinte quatro ratos Wistar, machos, foram divididos em quatro grupos de seis animais, assim distribuídos: grupo A: método de indução de peritonite soltura da ligadura + tratamento com soro fisiológico; grupo B: método de indução de peritonite + soltura da ligadura + tratamento com soro fisiológico acrescido de ampicilina / sulbactam; grupo C: método de indução de peritonite + soltura da ligadura -transfixação cecal; e grupo D: laparatomia para realização de lavado peritoneal mais coleta de sangue. A ligadura -transfixação do cecum permaneceu por 24 horas, antes do tratamento instaurado. Foi realizada uma relaparotomia nos 18 ratos com coleta de líquido de lavado peritoneal e sangue. Foram dosados os níveis plasmáticos de óxido nítrico e determinado o número de eosinófilos, linfócitos, monócitos e neutrófilos no sangue e no lavado peritoneal. Não ocorreu diferença estatisticamente significante (p > 0,05) nos níveis de óxido nítrico, bem como no número de eosinófilos, linfócitos, monócitos e neutrófilos no sangue e no lavado peritoneal, entre os grupos. Neste estudo, concluiu-se que: a utilização de ampicilina associada a sulbactam por via intraperitoneal nos ratos com peritonite fecal: não modificou a sobrevida; não alterou os níveis plasmáticos de óxido nítrico; não alterou a contagem de eosinófilos, linfócitos, monócitos e neutrófilos tanto no sangue como no lavado peritoneal
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/3088
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Cirurgia

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo5551_1.pdf843,2 kBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.