Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/3024
Title: Videolaringoscopia em voluntários com esquistossomose mansônica na forma hepatoesplênica
Authors: MOTA, Luiz Alberto Alves
Keywords: Hepatoesplênica; Laringe; Esquistossomose mansônica
Issue Date: 2003
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Citation: Alberto Alves Mota, Luiz; Teixeira Brandt, Carlos. Videolaringoscopia em voluntários com esquistossomose mansônica na forma hepatoesplênica. 2003. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Cirurgia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2003.
Abstract: Investigou-se as possíveis alterações na laringe em portadores de esquistossomose mansônica na forma hepatoesplênica (EHE). Sessenta e cinco voluntários foram divididos em três grupos. Vinte e quatro portadores de EHE (GE-I); 21 portadores de EHE esplenectomizados (GE-II) e 20, de idade e condições sócio-econômicas-geográficas pareadas, sem a doença (GC). Além do exame clínico otorrinolaringológico, todos os voluntários submeteram-se à videolaringoscopia. As idades dos três grupos foram similares: GE-I 57,9 ± 11,9 anos; GE-II 53,1 ± 9,6 anos e GC 54,9 ± 8,8 anos p> 0,05. Foram observados os seguintes achados de videolaringoscopia entre os grupos: (GE-I vs GC; GE-II vs GC e GE-I vs GE-II): hiperemia e edema na mucosa das aritenóides e comissura posterior (96,0% vs GC 45,0% - χ2 = 11,76 - p = 0,00016; 71,4 % vs 45,0% - χ2 = 1,96 p = 0,1615 e 96,0% vs 71,4 % - Teste Exato de Fisher - p = 0,0388), fenda glótica fusiforme ântero-posterior (50,0% vs 45,0% - χ2 = 0,00 p = 0,9780; 28,6% vs 45,0% - χ2 = 0,59 - p = 0,4428 e 50,0% vs 28,6% - χ2 = 1,34 - p = 0,2465), edema nas PPVV (87,0% vs 55,0% - χ2 = 4,29 - p = 0,003841; 28,6% vs 55,0% - χ2 = 1,96 - p = 0,16155 e 87,0% vs 28,6% - χ2 = 13,84 - p = 0,00019) e hiperemia nas PPVV (66,7% vs 45,0% - χ2 = 1,30 - p = 0,2546; 28,6% vs 45,0% - χ2 = 0,59 - p = 0,4428 e 66,7% vs 28,6% - χ2 = 5,07 - p = 0,0243). As freqüências de hiperemia e edema na mucosa das aritenóides e comissura posterior foram significantemente maiores nos grupos GE-I e GE-II. Houve uma tendência nas manifestações inflamatórias serem mais freqüentes no GE-I quando comparado com o GE-II, sugerindo que a EHE pode gerar refluxo gastrolaringeo, havendo diminuição na freqüência nos esplenectomizados aproximando-se das freqüências do GC. As freqüências de fenda glótica fusiforme ântero-posterior não foram estatisticamente diferentes entre os grupos. As freqüências de hiperemia e edema nas PPVV foram significantemente maiores nos grupos GE-I e GE-II, quando comparadas com o GC. Conclui-se que, em portadores com EHE há maior prevalência de alterações laringeas, sobretudo hiperemia e edema das aritenóides e comissura posterior, associado ao provável refluxo gastroesofágico produzido, possivelmente, pelo aumento da pressão intra-abdominal devido à hepatoesplenomegalia. De modo similar, foi constatado maior prevalência de hiperemia e edema nas PPVV, com a mesma associação ao RGE, produzido pela pressão intra-abdominal devido à hepatoesplenomegalia. Constatou-se que, a freqüência de refluxo gastrolaringeo diminuiu após esplenectomia, dando suporte ao conceito de que o aumento da pressão intra-abdominal pode interferir na sua gênese. Não foi possível verificar associação patogênica entre a EHE, per si, e as alterações laringeas
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/3024
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado - Cirurgia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
arquivo5417_1.pdf1.2 MBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.