Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/3002
Title: Esplenectomia e ligadura da veia gástrica esquerda na esquistossomose mansônica : efeitos sobre pressão das varizes do esôfago, indicadores endoscópicos e dopplerfluxometria portal
Authors: Evangelista Neto, João
Keywords: Veia gástrica;Varizes do esôfago
Issue Date: 2003
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Citation: Evangelista Neto, João; Moura Lacerda, Claudio. Esplenectomia e ligadura da veia gástrica esquerda na esquistossomose mansônica : efeitos sobre pressão das varizes do esôfago, indicadores endoscópicos e dopplerfluxometria portal. 2003. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Cirurgia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2003.
Abstract: No presente trabalho, estudaram-se os efeitos da esplenectomia e ligadura da veia gástrica esquerda (ELGE) sobre fatores de risco de sangramento por varizes esofagogástricas em 34 pacientes portadores de Esquistossomose Mansônica, na forma hepatoesplênica e com antecedente de hemorragia digestiva alta (HDA). Foram investigados: i) pressão das varizes do esôfago (PVE), aferida pela técnica endoscópica do balão pneumático; ii) tamanho, local, cor e sinais de cor vermelha (SCV) nas varizes do esôfago, varizes gástricas e gastropatia da hipertensão porta (GHP); iii) diâmetro, velocidade de fluxo e índice de congestão da veia porta (ICP). As avaliações ocorreram no pré-operatório, no pós-operatório imediato (entre o sexto e o oitavo dia) e no sexto mês após a ELGE. A PVE diminuiu de 22,3 ± 2,6mmHg, antes da cirurgia, para 16,0 ± 3,0mmHg no pós-operatório imediato (p < 0,001), caindo ainda mais para 13,3 ± 2,6mmHg no pós-operatório do sexto mês (p < 0,001). As freqüências dos parâmetros endoscópicos, associados com maior risco de hemorragia, diminuíram, de forma significante, apenas no pós-operatório de seis meses, quando se observou redução na proporção de varizes de grosso calibre (p < 0,05), varizes até o esôfago superior (p < 0,05), varizes de cor azul (p < 0,01), varizes com SCV (p < 0,001) e de GHP (p < 0,05). O diâmetro da veia porta reduziu-se de 14 ± 2,8mm, no pré-operatório, para 10,8 ± 5,4mm, no pós-operatório do sexto mês (p < 0,001). A velocidade de fluxo da veia porta decresceu de 29,5 ± 8,9cm/s, antes da cirurgia, para 24,5 ± 8,5 cm/s, no pós-operatório imediato (p < 0,05), e para 24,4 ± 4,7cm/s no seguimento de seis meses (p < 0,05). O ICP também diminuiu após a intervenção, embora a redução não tenha atingido significância estatística. No pós-operatório imediato, evidenciou-se trombose parcial da veia porta em 57,1% dos casos, mas sem causar repercussões clínicas importantes. Essa taxa diminuiu, de forma significante, para 14,3% no pós-operatório do sexto mês (p < 0,001). Não se observou repercussão da trombose portal sobre a PVE. A freqüência de SCV nas varizes do esôfago e a média do diâmetro da veia porta foram significantemente maiores no grupo com trombose portal (p < 0,05). Conclui-se que, em esquistossomóticos hepatoesplênicos com antecedente de HDA, a ELGE, em médio prazo, revelou-se eficaz em diminuir alguns dos principais fatores de risco de hemorragia por varizes esofagogástricas, indicando boa perspectiva no controle do sangramento
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/3002
Appears in Collections:Teses de Doutorado - Cirurgia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
arquivo5420_1.pdf1.64 MBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.