Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/2911
Título: Efeito sobre a perfusão esternal da utilização de ambas as artérias torácicas internas na revascularização miocárdica: avaliação através da cintilografia óssea
Autor(es): SANTOS FILHO, Edmilson Cardoso dos
Palavras-chave: Artéria torácica interna; Revascularização miocárdica; Esterno; Cintilografia óssea
Data do documento: 2006
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Cardoso dos Santos Filho, Edmilson; Vilar Correia Lima, Salvador. Efeito sobre a perfusão esternal da utilização de ambas as artérias torácicas internas na revascularização miocárdica: avaliação através da cintilografia óssea. 2006. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Cirurgia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2006.
Resumo: Objetivo: Avaliar o impacto na vascularização do esterno, através de cintilografia óssea, da utilização de ambas as artérias torácicas internas (ATI) preparadas por duas técnicas diferentes. Método: 35 pacientes coronarianos foram divididos em dois grupos: Grupo A 18 pacientes tiveram as duas ATI dissecadas de forma esqueletizada e Grupo B 17 pacientes tiveram as duas ATI dissecadas pela técnica pediculada. Não houve diferença nos dois grupos com relação a gênero, idade e características demográficas. Realizou-se cintilografia óssea 7 dias após a cirurgia obtendo-se imagens planas com 1.000.000 de contagens na projeção anterior do tórax contendo esterno, clavículas e região cervical baixa adquirida 3 horas após a administração venosa de 20mCi de MDP-TC 99m. As imagens cintiligráficas foram analisadas de formas qualitativa e quantitativa. A análise estatística foi realizada utilizando-se o teste de t de Student com significância estabelecida em 95%. Resultados: No grupo A (ATI esqueletizada) o nível de captação do esterno foi de 11,5% mais alto em comparação com a média dos 17 pacientes do grupo B (ATI pediculada), mas essa diferença não estatisticamente significante (p=0,127). Entretanto, a média dos níveis de captação do esterno nos 7 pacientes diabéticos do Grupo A (ATI esqueletiza) foi 47,4% mais alta em comparação com a média dos 7 pacientes diabéticos do grupo B (ATI pediculada) e esta diferença foi estaticamente significante (p=0,004). Conclusão: A forma de dissecção das ATI, pediculada ou esqueletizada, não altera de maneira estatisticamente significativa a perfusão esternal, avaliada por cintilografia óssea, no conjunto geral da população estudada. Entretanto, no sub-grupo de pacientes diabéticos, observou-se melhor perfusão do esterno nos pacientes submetidos à dissecção esqueletizada. A possível implicação clínica destes achados indica a necessidade do estudo ser ampliado com maior número de casos
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/2911
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Cirurgia

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo1422_1.pdf1,24 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.