Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/2896
Título: Avaliação da utilização de hipolipemiantes em usuários com dislipidemias e alto risco cardiovascular em Pernambuco
Autor(es): SILVA, André Santos da
Palavras-chave: Dislipidemias;Uso Racional;Atenção Farmacêutica
Data do documento: 31-Jan-2010
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Santos da Silva, André; Gonçalves Wanderley, Almir. Avaliação da utilização de hipolipemiantes em usuários com dislipidemias e alto risco cardiovascular em Pernambuco. 2010. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2010.
Resumo: O envelhecimento da população com o advento e incremento do consumo de medicamentos levando a polifarmácia e, portanto ao risco de problemas relacionados à farmacoterapia, bem como, a carência de estudos de avaliação da utilização de bioativos (medicamentos) na população, em especial as atendidas no Sistema Único de Saúde, motivou-nos a desenvolver este trabalho pioneiro na UFPE. O objetivo foi avaliar a utilização dos hipolipemiantes em usuários com dislipidemias e alto risco de desenvolver eventos cardiovasculares no Componente de Medicamentos de Dispensação Excepcional em Pernambuco. Os resultados do estudo retrospectivo com 1.435 prescrições demonstraram que a atorvastatina foi a mais prescrita no tratamento das dislipidemias no ano de 2008, apesar de ter o menor custoefetividade. Através do estudo prospectivo (n = 502), em 2009, evidenciou-se que a indicação de atorvastatina aumentou para 83,5% sendo 65% destes de forma irracional. As intervenções farmacêuticas resolveram 80,7% dos problemas encontrados, consistindo na comunicação por cartas aos médicos. O trabalho revelou a importância do uso racional auxiliando as tomadas de decisões e condutas terapêuticas, além do impacto econômico relevante aos cofres públicos pela redução de gastos em saúde. Apesar das estatinas reduzirem morbimortalidade em pacientes de alto risco, seu uso simplesmente não assegura efetividade e segurança do tratamento. Visando avaliar estes parâmetros selecionamos 114 pacientes em uso regular (mínimo 6 meses) de estatina. Os resultados observacionais foram que 57,9% dos usuários não apresentaram efetividade e 28% não apresentaram segurança no tratamento. Além disso, nenhuma estatina apresentou-se mais efetiva ou segura que a outra. Este estudo forneceu elementos relevantes para discussão sobre o uso de estatinas, suas metas terapêuticas e a necessidade do monitoramento farmacoterapêutico. Por fim, realizou-se mais um estudo, o qual se propôs a avaliar a influência de um serviço piloto de Atenção Farmacêutica em 14 idosos com dislipidemias e alto risco em uso de sinvastatina. Nos resultados, os idosos apresentaram uma média de 5,1±0,8 doenças crônicas, um consumo médio de 8,8±2,2 fármacos e uma média de 3,2±1,6 problemas relacionados a farmacoterapia por indivíduo. Foram identificados 45 problemas, e após as intervenções farmacêuticas 33 (73,3%) foram resolvidos. A redução dos níveis pressóricos e de lipoproteínas aterogênicas foram resultados clínicos relevantes podendo o serviço de atenção farmacêutica ter influenciado positivamente. Palavras Chave: Dislipidemias, Uso Racional, Atenção Farmacêutica
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/2896
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Ciências Farmacêuticas

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo1075_1.pdf1,07 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.