Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/2881
Título: Avaliação dos níveis de citrulina no plasma de camundongos infectados por Schistosoma mansoni na forma hepatoesplênica
Autor(es): SIQUEIRA, Luciana Teixeira de
Palavras-chave: Esquistossomose; Hipertensão porta; Intestino delgado; Citrulina; Esplenectomia
Data do documento: 31-Jan-2009
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Teixeira de Siqueira, Luciana; Antônio Bandeira Ferraz, Alvaro. Avaliação dos níveis de citrulina no plasma de camundongos infectados por Schistosoma mansoni na forma hepatoesplênica. 2009. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Cirurgia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2009.
Resumo: Introdução: A hipertensão porta encontrada na forma hepatoesplênica da esquistossomose mansônica traz repercussões sobre a mucosa do intestino delgado e, consequentemente, sobre a função dos enterócitos, que constituem a principal fonte de produção da citrulina circulante. Esse aminoácido é utilizado como marcador de função intestinal em algumas doenças que acometem o aparelho digestivo, podendo aplicá-lo em morbidades que levam à perda da integridade do epitélio do intestino delgado como a esquistossomose. Objetivos: Avaliar os níveis de citrulina no plasma de camundongos infectados com Schistosoma mansoni na forma hepatoesplênica, assim como investigar as repercussões morfológicas sobre a mucosa do intestino delgado, correlacionando os valores da citrulina com as alterações morfométricas da mucosa intestinal (área e altura de vilosidades e perímetro da superfície) e avaliar a influência da esplenectomia sobre os níveis plasmáticos desse aminoácido. Métodos: Foram estudados 46 camundongos, albino-Swiss, adultos, fêmeas, peso médio 40g. O estudo foi analítico, de intervenção, prospectivo. Foram selecionados dois grupos: controle - 23 animais sadios - e experimental - 23 animais infectados pelo Schistosoma mansoni, com a forma hepatoesplênica. Foram coletadas amostras de sangue para dosagem da citrulina antes e após a esplenectomia e ressecado segmento de jejuno para análise histológica e morfométrica. O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Experimentação Animal do Centro de Ciências Biológicas da Universidade Federal de Pernambuco. Resultados: A média de peso corporal do grupo controle foi maior em relação ao experimental com significância estatística (p=0,00062). O valor médio da citrulina no grupo experimental, antes e após a esplenectomia, foi menor que o do grupo controle (p=0,000). Após a esplenectomia houve, no grupo experimental, diminuição significante nos valores da citrulina (p=0,004). A avaliação histológica do jejuno evidenciou ovos de Schistosoma mansoni, alguns degenerados, na serosa, submucosa e lâmina própria, envoltos por granulomas formados por neutrófilos e linfócitos. Na análise morfométrica do jejuno, o grupo experimental apresentou, em média, menor altura e área das vilosidades bem como menor perímetro da superfície mucosa (p=0,003; 0,000 e 0,001, respectivamente). No grupo experimental, observou-se correlação direta entre o valor médio da citrulina após a esplenectomia e a altura e área das vilosidades (p=0,003 e 0,04, respectivamente). Não foi evidenciado correlação entre a citrulina e o perímetro da superfície da mucosa jejunal (p>0,05). Conclusão: Os níveis de citrulina estão diminuídos no plasma de camundongos esquistossomóticos e apresentaram correlação direta com as alterações das vilosidades da mucosa jejunal. Além disso, após a esplenectomia, observou-se diminuição na concentração plasmática de citrulina no grupo experimental
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/2881
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Cirurgia

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo1342_1.pdf3,02 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.