Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/23307
Título: Petrologia e geoquímica do Plúton Pilõezinhos, domínio central, Província Borborema.
Autor(es): LIMA, Jefferson Valdemiro de
Palavras-chave: Geociências; Plúton Pilõezinhos; Província Borborema; Magmatismo extensional
Data do documento: 25-Jul-2016
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Resumo: O Plúton Pilõezinhos (PP) compreende uma intrusão alongada, de ~ 100 km2, no Domínio Central (Subprovíncia Transversal) da Província Borborema e caracterizada por sienogranito e monzogranito equigranular a porfirítico, contendo raros enclaves e xenólitos. O PP intrude metassedimentos brasilianos e ortognaisses tonianos, num contexto estrutural gerado pela movimentação sincrônica das zonas de cisalhamento Remígio-Pocinhos (ZCRP) de direção E-W e cinemática destral, e Matinhas de direção NE-SW e cinemática sinistral. Os granitos do PP apresentam química mineral caracterizada por fases máficas enriquecidas em halogênios e em Fe, com biotitas ricas na molécula de siderofilita e anfibólios com composição variando de hastingsita a Fe-tchermakita. São classificados quimicamente como granitos aluminosos e ferro-potássicos com alto teor de álcalis totais. Apresentam alto conteúdo de HFSE e ETR, com exceção do Eu, que apresenta uma anomalia negativa característica de granitos tipo-A. O contexto estrutural, associado às feições mineralógicas e químicas sugere que são granitos tipo-A2. Dados de U-Pb em zircões por LA-ICP-MS indicam que esses granitos foram colocados, a 566 ± 3 Ma. As condições termobarométricas de cristalização, definidas a partir dos dados de química mineral são: temperatura variando de 745 a 1003,7 °C e pressão de 4,28 a 5,95 Kbar, que corresponde a profundidades de 15 a 20 km, próximo ao limite crosta média/crosta superior. A mineralogia máfica rica em ferro e a presença de ilmenita primária sugerem cristalização sob condições de baixa fO2 (abaixo do tampão FMQ). As assinaturas químicas e isotópicas obtidas nesses granitos (εHf = -16,0 a 18,6 e εNd = -14,73 a –15,81) sugerem origem a partir de fusão parcial de material infracrustal, entretanto os valores TDM determinados para o PP (1,9 a 2,03 Ga por Sm-Nd e 1,74 a 1,86 Ga por Lu-Hf ) são mais baixos que os observados no embasamento da região estudada, sugerindo pequena contribuição de material juvenil. A partir de comparações químicas e isotópicas com outros granitoides e rochas do embasamento, foi definido que o material crustal envolvido na formação do PP corresponde aos gnaisses tonalíticos do Complexo Serrinha Pedro Velho, enquanto que o componente juvenil se assemelha ao mesmo material que participou da origem do Plúton Curral de Cima, intrusão tonalítica alojada a leste na mesma zona de cisalhamento. O modelamento químico, associado a feições petrográficas sugere cristalização fracionada como um processo atuante durante a evolução magmática desses granitos. Em relação ao mecanismo de transporte, o magma granítico que gerou o PP ascendeu desde a crosta inferior até um nível crustal mais superficial através das estruturas de cisalhamento, por meio do mecanismo chamado fluxo penetrativo, onde o elevado conteúdo de halogênio pode ter facilitado este processo. Esses granitos são semelhantes aos do Complexo Solânea, intrudidos a norte da ZCRP, no Domínio Norte da Província Borborema, sugerindo não haver fortes diferenças entre esses dois domínios, ou estes apresentam a mesma assinatura isotópica, e evoluíram juntos durante o Ediacarano. Ambas as intrusões são comparáveis aos granitoides transalcalinos Fe-K do leste da Nigéria, sugerindo que esse tipo de magmatismo esteja relacionado a um evento extensivo associado a zonas de cisalhamento transtensionais durante a consolidação do Supercontinente Gondwana, que se estende desde a Borborema até o lado Africano de Gondwana na Nigéria oriental.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/23307
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Geociências

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Dissertação Jefferson FINAL 9.pdf8,39 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons