Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/2253
Title: Encapsulação do polissacarídeo proveniente de Anacardium occidentale em lipossomas e aplicação biológica
Authors: Maria Souza Gadêlha, Morgana
Keywords: S. mansoni; Anacardium occidentalle; Lipossomas
Issue Date: 2001
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Citation: Maria Souza Gadêlha, Morgana; Stela Santos Magalhães, Nereide. Encapsulação do polissacarídeo proveniente de Anacardium occidentale em lipossomas e aplicação biológica. 2001. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Bioquímica, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2001.
Abstract: Vários polissacarídeos têm sido classificados como modificadores da resposta biológica. Seus efeitos biológicos especialmente suas atividades anti-tumoral e anti-microbiana, são consideradas como uma conseqüência deste fato. O heteropolissacarídeo extraído da goma de Anacardium occidentale (P JU) é composto por Gal, Ara,Glc, Rha, Xyl e Glc A, em uma proporção molar dc 82:4:6:2:l:5 e sua atividade anti-tumoral in vivo, e in vitro foi previamente demonstrada. A encapsulação em lipossomas tem sido utilizada para potencializar a atividade biológica de fármacos. O objetivo deste trabalho foi elaborar uma formulação de lipossomas contendo P JU e avaliar seu efeito frente ao sarcoma I80 e à infecção experimental pelo S. mansoni. Quinze formulações foram desenvolvidas de acordo com o método de evaporação de fase reversa modificado proposto por Amselem et al.,1990. Estas foram submetidas a testes de estabilidade acelerada e em longo prazo. A taxa de encapsulação do P JU foi calculada através do método de fenol sulfúrico. Obteve-se uma formulação estável positivamente carregada, constituída por fosfatidilcolina, colesterol e estearilamina (7:2:l). A fase aquosa utilizada foi P JU 2,5 mg.rnl-1, em solução tampão fosfato de sódio a 0,2 M, pH 7,4. Esta formulação demonstrou estabilidade até 90 dias. A toxicidade in vivo foi avaliada tratando-se camundongos (n=1O/grupo), via i.p., com P JU livre e encapsulado usando NaCl 150 mnM e lipossomas vazios como controles. A análise histopatológjca do fígado e do baço foi realizada e nenhuma alteração foi observada. A atividade anti-tumoral in vivo foi testada em camundongos usando o Sarcoma 180 como modelo. Em dose única, via i.p., o P JU livre e encapsulado em lipossomas (100 mg.Kg-1) não inibiu o crescimento do tumor. Estas preparações foram também testadas frente a camundongos infectados pelo S. mansoni por via caudal utilizando-se 150 cercárias/animal e tratados com dose única, i.p., das formulações (NaCl 150mM, lipossomas vazios, P JU livre e encapsulado em lipossomas), 24 horas e no 42º dia após a infecção. A evolução temporal da infecção foi avaliada pela presença de ovos do S. mansoni nas fezes de acordo com o método de Kato-Katz, após o 38º dia. Os animais foram sacrificados no 56º dia e a perfusão pelo sistema porta-hepático foi realizada. O P JU livre reduziu a eliminação de ovos em 19,6 e 58%, para o tratamento realizado 24 h e no 42º dia após a infecção, respectivamente. O P JU encapsulado em lipossomas causou uma redução de 82,1 e 88,1%, para as mesmas condições experimentais respectivamente. Estes resultados sugerem que P JU encapsulado' em lipossomas pode ser uma nova possibilidade terapêutica para o tratamento da infecção pelo S. mansoni, considerando sua estabilidade e ausência de toxicidade in vivo
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/2253
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado - Bioquímica e Fisiologia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
arquivo9607_1.pdf2.35 MBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.