Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/2184
Título: Influência dos níveis de imersão sobre a função pulmonar, a ventilação voluntária máxima e a pressão dos músculos respiratórios em indivíduos saudáveis
Autor(es): CARNEIRO JUNIOR, Jáder
Palavras-chave: Efeitos de imersão; Capacidade pulmonar
Data do documento: 2004
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Carneiro Junior, Jáder; de Fátima Dornelas de Andrade, Armele. Influência dos níveis de imersão sobre a função pulmonar, a ventilação voluntária máxima e a pressão dos músculos respiratórios em indivíduos saudáveis. 2004. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Fisiologia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2004.
Resumo: As alterações da mecânica respiratória proveniente da imersão até altura do pescoço, através dos efeitos da pressão hidrostática e da força de flutuação, são pouco estudadas. O objetivo deste estudo foi avaliar em indivíduos sadios a função pulmonar, a ventilação voluntária máxima e a pressão dos músculos respiratórios durante diferentes níveis de imersão em piscina, comparando com os valores obtidos em solo. Foi realizado um estudo do tipo corte transversal com uma amostra constituída de 32 indivíduos sadios, com idade média de 21,75 + 1,99 ano. Através dos testes de espirometria e de manovacuometria foram avaliados os volumes e capacidades e pulmonares e a força dos músculos inspiratórios e expiratórios fora da piscina e sob três níveis de imersão (até clavículas, até apêndice xifóide e até cristas ilíacas). Verificou-se uma diminuição significante na capacidade vital (CV) quando comparado fora da piscina (3,59) com a mediana obtida sob imersão, em nível de apêndice xifóide diminuiu para 3,63 (p<0,004), estando a maior diferença em relação à imersão até clavículas (3,38) (p<0,004), quando comparado com a imersão até cristas ilíacas não foi observada diferença significante, tendendo a um pequeno aumento (3,72). A mediana do volume expiratório forçado no primeiro segundo (VEF1) em solo foi de 3,22 enquanto sob imersão até clavículas foi de 3,08 (p<0,001), até apêndice xifóide foi de 3,04 (p<0,001) e até cristas ilíacas foi de 3,15 (p<0,001). O fluxo expiratório forçado no intervalo entre 25 e 75% (FEF 25-75%) obteve mediana de 3,78 (p<0,002) em solo, diminuindo sob imersão até clavículas 3,71 (p<0,002), até apêndice xifóide 3,64 (p<0,002) e até cristas ilíacas 3,57 (p<0,002) A VVM não apresentou diferença significante na relação solo com os três níveis de imersão, porém de forma indireta, foi observado que a relação VVM e VEF1, verdadeira fora da piscina, não se manteve durante imersão. A pressão inspiratória máxima apresentou valores médios menores sob imersão até clavículas (90,78±23,42) (p<0,001), sob imersão até apêndice xifóide (99,06±23,6) (p<0,001) e sob imersão até cristas ilíacas (100,94±25,03) (p<0,001) quando comparado aos valores fora da piscina (104, 69±29,15) (p<0,001). Os resultados deste estudo sugerem que os três níveis diferentes de imersão, através da pressão hidrostática, influem de forma significativa diminuindo volumes pulmonares e a força da musculatura inspiratória. Palavras-chave: fisiologia da imersão, volumes pulmonares, ventilação voluntária máxima
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/2184
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Bioquímica e Fisiologia

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo6242_1.pdf684,76 kBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.