Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/2049
Título: Avaliação do éster de acridina como marcador conjugado à lectina em histoquímica
Autor(es): CAMPOS, Lília de Moura
Palavras-chave: Quimioluminescência;ConA;Tecido mamário humano histoquímica
Data do documento: 2004
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: de Moura Campos, Lília; Bezerra de Carvalho Junior, Luiz. Avaliação do éster de acridina como marcador conjugado à lectina em histoquímica. 2004. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Bioquímica, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2004.
Resumo: Transformações neoplásicas apresentam modificações na composição e distribuição de oligossacarídeos da superfície celular de glicoproteínas e glicolipídeos, a partir desta característica, lectinas vêm sendo utilizadas como sondas no auxílio de diagnósticos histopatológicos de tecidos de mama, útero e cérebro, entre outros. Quimiluminescência é uma a técnica que possui baixos limites de detecção e amplas faixas dinâmicas. O éster de acridina vem sendo utilizado em sistemas quimiluminescentes para imunodiagnóstico conjugado a anticorpos. Neste trabalho, o éster de acridina foi conjugado à Concanavalina A (Con A) e empregado como marcador histoquímico quimiluminescente. Foram utilizados tecidos mamários humanos normais e diagnosticados como carcinoma ductal infiltrante (CDI). Na metodologia utilizada a emissão de fótons, durante a hidrólise do éster de acridina conjugado à Con A, que foi quantificada, expressada em unidade relativas de luz (URL) e correlacionada com a marcação do tecido, normal ou transformado. Os resultados encontrados demonstraram uma proporcionalidade de URL com a intensidade de marcação dos tecidos estudados. Os valores de URL para o tecido mamário normal (2,565x103 ± 0,247x103) foram inferiores aos obtidos para o CDI (1.283,920x103 ± 220,621x103). A eficiência da conjugação da lectina ao éster de acridina, a marcação diferenciada do tecido normal e CDI, e a quantificação dos resultados obtidos contribuem para diminuir a subjetividade no diagnóstico histopatológico de rotina e possibilitam o emprego do éster de acridina como marcador de lectinas para uso em histoquímica
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/2049
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Bioquímica e Fisiologia

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo4877_1.pdf108,6 kBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.