Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/20263
Título: Metabonômica aplicada ao diagnóstico e estadiamento de doenças hepáticas
Autor(es): COSTA, Tássia Brena Barroso Carneiro da
Palavras-chave: RMN de ¹H; HBV; HCV; Esteatose; Fibrose hepática
Data do documento: 29-Mar-2016
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Resumo: A metabonômica pode ser definida como um conjunto de ferramentas, analíticas e de estatística multivariada, utilizadas para identificar mudanças de concentração dos metabólitos em um dado biofluido, associando-as à perturbação sofrida pelo organismo. Sendo assim, ela seria capaz de identificar qualquer doença no organismo, desde que seja empregado o biofluido adequado e as informações sejam corretamente extraídas. Para isso, a ferramenta mais empregada é a Espectroscopia de Ressonância Magnética Nuclear de Hidrogênio-1 (RMN de ¹H), e é necessário o uso de técnicas quimiométricas para extrair as informações do espectro. Neste trabalho, foram construídos modelos metabonômicos para: (1) identificar pacientes portadores de esteatose, e dos vírus da hepatite B (HBV) e da hepatite C (HCV), utilizando amostras de urina; e (2) classificar o grau de fibrose hepática em pacientes com hepatites crônicas por HBV ou HCV, utilizando amostras de soro sanguíneo. O modelo para classificação de pacientes com esteatose, obteve 100% de sensibilidade e de valor preditivo positivo. Para identificar esteatose independentemente de ser um portador de HBV ou HCV, o modelo construído obteve 97,9% de exatidão. Para classificar portadores de HBV e HCV, os modelos apresentaram sensibilidade de 100% e 92,6%, respectivamente. O modelo construído para diferenciar pacientes com diferentes lesões no fígado: esteaose e hepatites virais B ou C, obteve 94% de exatidão. Para classificar pacientes com fibrose significativa; fibrose avançada; e cirrose, alcançamos 98,4; 100; e 96,8% de exatidão, respectivamente. Através da combinação dos resultados dos modelos de fibrose significativa e fibrose avançada, foi possível determinar os pacientes com grau F2, no METAVIR, com percentual de acerto de 96,8%. Nas análises de fibrose, a exatidão observada para os modelos metabonômicos foram superiores aos observados para os métodos não-invasivos normalmente utilizados na prática clínica, APRI (do inglês, Aspartate aminotransferase Platelet Ratio Index) e FIB-4. A estratégia metabonômica demonstrou capacidade de avaliar a presença de diferentes doenças hepáticas em uma única análise, não invasiva, e determinar o grau de fibrose hepática, de forma minimamente invasiva.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/20263
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Química

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Dissertação - Tássia Brena da Costa.pdf2,42 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons