Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/20121
Título: Transtornos psiquiátricos em pacientes com lúpus eritematoso sistêmico
Autor(es): ASANO, Nadja Maria Jorge
Palavras-chave: Lúpus eritematoso sistêmico; Transtornos mentais; Qualidade de vida; Interleucina; Citocinas
Data do documento: 21-Dez-2011
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Resumo: Introdução: Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES) é uma doença inflamatória crônica do tecido conjuntivo, autoimune, de etiologia multifatorial, que pode envolver múltiplos órgãos e sistemas. Os transtornos psiquiátricos no LES constituem um problema que acomete aproximadamente metade dos pacientes em algum período de evolução da doença, com freqüência variável na literatura. Objetivo: Estudar os transtornos psiquiátricos em pacientes com Lúpus Eritematoso Sistêmico do Serviço de Reumatologia do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco. Método: Este estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos do Centro de Ciências da Saúde da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e realizado no Serviço de Reumatologia do Hospital das Clínicas da UFPE. Trata"se de um estudo descritivo, exploratório, quantitativo, de corte transversal e duplo"cego. A população foi composta por 131 mulheres com LES entre 18 e 48 anos de idade. Para análise do diagnóstico dos Transtornos Psiquiátricos pelo DSM"IV foi utilizado o M.I.N.I. – plus. A presença dos Transtornos Psiquiátricos foi comparada com a idade no momento do estudo, o tempo de doença e a atividade da doença (avaliada pelo SLEDAI"2K modificado). Oitenta mulheres com LES e 60 indivíduos saudáveis foram genotipados pela reação da cadeia de polimerase seguindo"se por visualização na eletroforese em agarose gel a 4%. Em cento e treze pacientes, o questionário de vida (SF"36) foi avaliado, nos grupos com e sem transtorno psiquiátrico. Resultados: A média de idade foi 32 anos (desvio"padrão: 7,0 anos), com variação entre 18 e 48 anos e a média de duração do LES foi 6,0 anos (desvio"padrão: 5,0 anos). Do total de pacientes com LES, 80 (61,0%) apresentou doença em atividade, a maioria na forma severa (34,0%). Oitenta e nove pacientes (67,9%) apresentaram transtornos psiquiátricos: Transtornos do Humor (56,5%), Transtornos de Ansiedade (50,4%), risco de suicídio (30,5%) e outros transtornos (Psicose: 1,1%; Anorexia Nervosa: 1,1%; Bulimia Nervosa: 7,0%). Episódio Depressivo Maior foi o mais encontrado (37,4%) entre os Transtornos do Humor. Agorafobia (45,0%) e Transtorno de Ansiedade Generalizada (34,4%) foram os mais encontrados entre os Transtornos de Ansiedade. Tempo de doença e idade atual não foram significativamente associados à presença dos Transtornos psiquiátricos. Atividade da doença foi significativamente associada à presença dos Transtornos do Humor, de Ansiedade e risco de suicídio (Qui"Quadrado ou Teste Exato de Fisher, p < 0,05). Transtornos do Humor, de Ansiedade e risco de suicídio apresentaram uma maior tendência ao genótipo G/G. As análises estatísticas mostraram diferenças significativas: na distribuição do polimorfismo C/C no gene da IL"6 entre os grupos LES e controle (χ2 = 8.668; p = 0.0032), e na freqüência alélica, alelo C (p = 0.0247; OR = 0.5036). Sujeitos com a variante alélica Gapresentaram um risco maior para a doença (LES): 1,98 (95% IC: 1.0844"3.6353). A análise do questionário SF"36 foi realizada através de ANOVA Kruskall"Wallis, teste post hoc de Dunn. Os domínios: capacidade funcional, vitalidade e saúde mental mostraram resultados significativos em todos os transtornos analisados (p < 0,05). Aspectos sociais e emocionais, estado geral de saúde mostraram resultados significativos nos Transtornos do Humor e de Ansiedade e risco de suicídio. Aspectos físicos apresentaram significância estatística nos Transtornos do Humor e risco de suicídio. O domínio dor apresentou pontuação muito baixa nas pacientes com e sem transtorno psiquiátrico (efeito piso). Conclusões: Este trabalho mostrou que transtornos psiquiátricos foram freqüentes na maioria das mulheres com LES na população estudada. A atividade da doença (LES) representou fator de risco potencial para a presença de Transtornos de Humor e de Ansiedade. Quanto maior foi o tempo e mais intensa a atividade da doença (LES), mais evidente foi o risco de suicídio. Este estudo apresentou evidências preliminares da associação entre polimorfismo no promotor "174 G/C do gene da IL"6 e sua influência na susceptibilidade ao LES ou no desenvolvimento de suas diversas manifestações clínicas e imunológicas. A percepção de qualidade de vida pelas mulheres com LES avaliada neste estudo, em todos os domínios do SF"36, mostrou"se comprometida quando em associação com os diversos transtornos psiquiátricos.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/20121
Aparece na(s) coleção(ções):Teses de Doutorado - Neuropsiquiatria e Ciência do Comportamento

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2011-tese-NadjaMariaJorgeAsado.pdf29,96 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.