Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/19711
Título: Custo-utilidade da insulina glargina e insulina isófana (NPH) para o tratamento de pacientes com diabetes mellitus tipo 2 atendidos no Sistema Único de Saúde do Município de Recife
Autor(es): CARVALHO, Dayse Cabral de
Palavras-chave: Análise Custo-Benefício; Insulina Glargina; Insulina NPH; Cost-Benefit Analysis; Glargine; NPH insulin
Data do documento: 31-Out-2014
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Resumo: INTRODUÇÃO: O Diabetes Mellitus é um transtorno metabólico, caracterizado por hiperglicemia. É considerada condição sensível à Atenção Primária, tendo impacto por reduzir ou retardar as complicações da doença. A reposição de insulina para o diabete mellitus tipo 2 é indicada quando somente mudanças no estilo de vida associados a hipoglicemiante oral forem insuficientes para obter controle glicêmico. OBJETIVOS: Determinar o custo-utilidade da insulina glargina e insulina NPH para o tratamento de pacientes com diabetes mellitus tipo 2 atendidos no Sistema Único de Saúde do Município de Recife – PE. MÉTODOS: Foi realizada comparação da categoria custos médicos diretos de duas intervenções terapêuticas indicadas para o tratamento do diabete mellitus tipo 2. A avaliação de custo-utilidade foi realizada a partir da perspectiva do Sistema Único de Saúde. Foi considerado um horizonte analítico de 10 anos. Os dados coletados foram de fontes secundárias, de sistema de informação em saúde, dados dos relatórios emitidos nos sistemas de informatização das Farmácias do Recife e da Farmácia do Estado de Pernambuco e fontes da literatura. Para a análise de decisão, foram consideradas as hipoglicemias noturnas e não noturnas graves e não graves. RESULTADOS: O indivíduo médio, representante de Pernambuco, apresenta 8,7 anos de diagnóstico do DM2, recebem aproximadamente 14,4 frascos de insulina NPH ou Glargina ao ano, dados estes, utilizados na probabilidade de transição. Para o cenário das complicações agudas, o custo do usuário foi calculado para 2013: sem complicação em uso da insulina NPH foi de R$ 1.237,95 e para insulina Glargina R$ 4.935,42. Foi considerado 12 episódios de hipoglicemia noturna grave ao ano. A redução de risco de hipoglicemia para pacientes em uso da insulina Glargina é de 50,9% apresentando cinco episódios ao ano. A razão de custo incremental (RCEI) do presente estudo, indica um valor agregado adicionado de R$ 12.987,4892 por AVAQ ganho a cada ano de tratamento com a insulina glargina em relação a NPH. CONCLUSÕES: Houve redução de episódio de hipoglicemia noturna grave da insulina glargina comparado com a insulina NPH. Os dados apresentados não permite afirmar qual da intervenção é mais efetiva, apenas mostra que a insulina glargina tem um maior custo-utilidade e um custo médico direto maior. Os custos incrementais e os benefícios alcançados em anos de vidas ganhos produziu uma Razão de R$ 12.987,4892 ao ano para a insulina glargina. Diante das incertezas acerca da efetividade das insulinas analisadas, faz-se necessário a realização de estudos aprofundados entre estas intervenções terapêuticas.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/19711
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Gestão e Economia da Saúde

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
CUSTO UTILIDADE DA INSULINA GLARGINA E NPH REV 4.pdf850,62 kBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons