Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/19315
Title: Estrutura do mesozooplâncton do estuário do Rio Timbó, Paulista-Pernambuco
Authors: BARBOSA, Débora Ferreira
Keywords: Mesozooplankton; Estuary; Community structure; Pernambuco; Timbó River; Mesozooplâncton; Estuário; Estrutura de comunidade; Rio Timbó
Issue Date: 2010
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Abstract: A composição do mesozooplâncton do estuário do rio Timbó, Paulista –PE foi analisada nos meses de julho, setembro e dezembro de 2009. Cada coleta teve duração de 24 horas, sendo realizados arrastos de 15 minutos a cada 3 horas, em duas estações fixas. As amostras foram obtidas através de rede de plâncton com 300 micrômetros de abertura de malha. Em cada coleta foram aferidas: temperatura, profundidade e salinidade. O material coletado foi fixado em formol a 4% e analisado posteriormente sob estereomicroscópio e microscópio óptico. A riqueza, diversidade e equitabilidade das comunidades mesozooplanctônicas e de copépodes foram analisadas através do ANOVA no programa STATISTICA 6.0 e a estrutura das comunidades analisada através do programa PRIMER 4.0. O mesozooplâncton do estuário do rio Timbó esteve representado por 39 táxons distribuídos em 08 filos, dentre os quais Arthropoda foi o mais representativo compondo 90,4% dos organismos, sendo Crustacea Copepoda o grupo dominante em todos os meses. Foram observadas diferenças significativas na estrutura das comunidades mesozooplanctônicas e de copépodes em relação às marés, meses do ano e localização ao longo do estuário, onde a maior diversidade e riqueza de organismos foram observadas na estação de coleta mais próxima do mar, nas marés cheias e enchente para o mesozooplâncton e nas marés cheia e vazante para Copepoda. O mês de dezembro apresentou densidades mais baixas de organismos porém maior diversidade. A comunidade mesozooplanctônica foi considerada típica de ambiente estuarinona qual o holoplâncton foi mais abundante que o meroplâncton em todos os meses, o que é esperado para regiões estuarinas. Dentre os copépodes,Acartia lilljeborgi foi aespécie mais frequentee abundante durante todo período, ressaltando-se ainda a ocorrência frequente de Acartia tonsae Pseudodiaptomus acutus.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/19315
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado - Biologia Animal

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2010-Dissertação-DéboraBarbosa.pdf1.4 MBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons