Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/1912
Title: Utilização do polissacarídeo da goma de cajueiro (Anacardium occidentale) em cicratização cutânea experimental
Authors: das Graças Paiva, Maria
Keywords: Polissacarídeo; Anacardium occidentale; Teste de Tukey
Issue Date: 2003
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Citation: das Graças Paiva, Maria; Lúcia Figueiredo Porto, Ana. Utilização do polissacarídeo da goma de cajueiro (Anacardium occidentale) em cicratização cutânea experimental. 2003. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Bioquímica, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2003.
Abstract: O processo de cicatrização de ferida é uma resposta fundamental à lesão tecidual que envolve extensos eventos celulares, moleculares, fisiológicos e bioquímico, tradicionalmente dividida em três fases: inflamatória, proliferativa e remodeladora, que se sobrepõem, resultando na restauração da integridade do tecido. Com o objetivo de otimizar a cicatrização in vivo, foi avaliado o efeito do tratamento tópico com o polissacarídeo da Goma do cajueiro (P-JU; Anacardium occidentale L), em lesões cutâneas experimentais. A cicatrização foi avaliada em camundongos fêmeas albino suíços, pesando 30±5g , com idade de 8 semanas, dividido em 6 grupos (n=15/grupo), sendo três grupos controle (NaCl, Ácido Ascórbico e Furacin®) e três grupos teste (emulsão Ácido Ascórbico + P-JU) em diferentes concentrações (75mg/ml, 150mg/ml e 214,3mg/ml). Uma lesão de 1cm2 de diâmetro foi realizada na região toráxica dorsal e topicamente tratada em dose única (200μl) da substância correspondente, no pós-operatório imediato, como descrito. Cada ferida foi avaliada diariamente do ponto de vista clínico. A contração da ferida foi calculada como descrito por Prata (1998). Os resultados foram submetidos à análise estatística usando Teste de Tukey (p≤ 0,05). Ao exame macroscópico, considerando: sinais inflamatórios, tecido de granulação e características da crosta. Observou-se que, entre os grupos teste (150mg/ml e 214,3mg/ml) feridas com aspecto seco, menos hiperêmicas e sem edema, enquanto que, as do grupo controle, apresentaram intensa hiperemia, edema e aspecto úmido. Quanto às características da crosta, o grupo teste apresentou, aspecto delgado, distribuição uniforme e com desprendimento em torno do 8º dia, quanto aos grupos controle, desenvolveram crostas espessa, irregulares e com desprendimento em torno do 10º dia, algumas se conservando até o 12 º dia, final do experimento. Quanto à análise histopatológica, procedeu-se a biópsias no 2º, 7º e 12º dias de pós-operatório. No 2º dia os grupos teste (150mg/ml e 214,3mg/ml) apresentaram maior vascularização, menor volume de exsudato e infiltrados neutrofílicos e eosinofílicos discretos. No 7º dia os referidos grupos mostraram padrão fibrovascular de organização , enquanto que, a angiogênese era marcante nos grupos controle. Finalmente, no 12º dia as amostras tratadas com P-JU já se apresentavam reepitelizadas e com um padrão mais ordenado de colagenização. O presente estudo sugere que o P-JU aplicado topicamente em feridas cutâneas abertas, acelera o processo de cicatrização
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/1912
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado - Bioquímica e Fisiologia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
arquivo4680_1.pdf897.95 kBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.