Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/18743
Título: Carneiro Vilela: Língua de ‘navalha’ e pena de ‘ponta de faca’
Autor(es): LUCENA FILHO, Marcio
Palavras-chave: História; Literatura; Biografia Intelectual; Joaquim Maria Carneiro Vilela; Geração 1870; Escritor Cidadão; Academia Pernambucana de Letras; History; Literature; Intellectual Biography; Joaquim Maria Carneiro Vilela; 1870 Cohort; Citizen-Writer; Literature Society of Pernambuco
Data do documento: 7-Jul-2016
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Resumo: O presente trabalho é uma biografia intelectual do escritor cidadão Joaquim Maria Carneiro Vilela (1846-1913), jornalista político e literário; tradutor e crítico literário; magistrado e advogado; poeta épico, satírico e lírico; romancista histórico e de costumes; folhetinista e panfletário; dramaturgo e comediógrafo; caricaturista; e ainda cenógrafo, pintor e um dos fundadores da Academia Pernambucana de Letras. Carneiro Vilela não foi um beletrista afeito exclusivamente ao belo, ou um nefelibata alheio à realidade nacional, mas um escritor engajado, integrante da geração de 1870, que empunhou a sua pena com o objetivo de influenciar reformas econômicas, políticas, sociais, religiosas e culturais. A sua obra precisa ser analisada levando em consideração o contexto político-intelectual em que surge; apenas a inscrição da sua obra no processo de luta política permite especificar seu sentido: são intervenções no debate político da crise do Império e das primeiras décadas da República. Os seus escritos delinearam um ‘retrato do Brasil’, e dessa maneira é possível inseri-lo no vasto panteão de intérpretes do país que se dedicaram, basicamente, a responder duas perguntas: quem somos? E o que queremos ser? Vilela foi um ‘mosqueteiro intelectual’ que, durante quatro décadas, mais ou menos entre 1870 a 1910, procurou entender o Brasil e sonhou com a construção de uma nova arquitetura social, política, cultural, etc. Defendemos que Vilela usou seus escritos para vocalizar insatisfações e para formalizar críticas às instituições, aos valores e às práticas fundamentais da ordem imperial, bem como às práticas republicanas que bloquearam projetos democráticos para a sociedade brasileira.
Descrição: Nome completo do autor: Márcio José Lucena Osias Filho
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/18743
Aparece na(s) coleção(ções):Teses de Doutorado - História

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
TESE CARNEIRO VILELA LÍNGUA DE NAVALHA E PENA DE PONTA DE FACA digital.pdf6,79 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons