Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/18734
Título: Exercício de preensão manual isométrico intermitente associado a diferentes níveis de compreensão vascular externa: efeitos agudos na reposta neuromuscular
Autor(es): CERQUEIRA, Mikhail Santos
Palavras-chave: Isquemia; Fadiga; Força muscular; Eletromiografia; Ischemia; Fatigue; Muscle strength; Electromyography
Data do documento: 16-Jun-2016
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Resumo: Introdução: Exercícios de baixa intensidade executados até a falha podem gerar hipertrofia e aumento de força muscular, porém o tempo até a falha (TF) pode ser muito prolongado e consequentemente gerar sobrecarga articular, sendo a restrição do fluxo sanguíneo (RFS) uma alternativa para reduzir o TF durante o exercício. A fadiga neuromuscular após o exercício pode ser indicada por uma redução na capacidade de produzir força e por alterações no sinal de eletromiografia (EMG), entretanto poucos estudos têm analisado essas variáveis após o exercício com RFS realizado até a falha. Objetivo: Verificar os efeitos de diferentes níveis de RFS aplicados durante um exercício de preensão manual isométrico intermitente (EPMII) no TF, na recuperação da força isométrica voluntária máxima (FIVM), da frequência mediana (EMGFmed) e do pico do sinal de EMG bruto (EMGpico) após a falha. Métodos: Treze homens (21 ± 1,71 anos) realizaram o EPMII com 45% da FIVM até a falha com diferentes níveis de fluxo sanguíneo: oclusão total (OT), oclusão parcial (OP) e fluxo livre (FL). A pressão de oclusão foi determinada em repouso de forma individualizada. O TF foi avaliado durante o exercício. A FIVM, a EMGFmed e o EMGpico foram mensurados antes e nos minutos 1, 3, 5, 7, 9 e 11 depois do exercício. Resultados: O TF foi diferente (p<0,01) entre todas as situações investigadas: OT (150 ± 68 segundos), OP (390 ± 210 segundos) e FL (510 ± 240 segundos). A FIVM permaneceu reduzida onze minutos após a falha em todas as situações (p=0,001). Houve uma maior redução de força um minuto após a falha nas situações OP (-45,8%; p=0,001) e FL (-39,9%; p=0,005) em comparação à OT (28,1%). Após onze minutos de recuperação apenas na situação OP (-30,2%; p=0,004) a força foi menor que na situação OT (-21,7%). A situação OP gerou uma maior redução da EMGFmed nos minutos pós 5 (p=0,012) e pós 9 (p=0,034) em comparação à OT e maior elevação do EMGpico em relação a OT (p=0,008) e FL (p=0,034) após 7 e 9 minutos. Conclusões: Maiores níveis de oclusão vascular resultam em menor TF, exercícios com maior duração induzem maior redução de força após a falha e a aplicação de OP durante EPMII parece gerar maior fadiga neuromuscular.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/18734
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Fisioterapia

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Mikhail_Fisioterapia_2016_Dissertação_VERSÃO FINAL.pdf2,77 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons