Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/18670
Título: Entre políticas de adesão e políticas de transformação: construções e expressões de subjetivação política em jovens militantes
Autor(es): MENDONÇA, Erika de Sousa
Palavras-chave: Subjetivação Política; Juventude; Participação; Political Subjectivity; Youth; Participation
Data do documento: 29-Nov-2016
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Resumo: Em um contexto de criminalização da juventude pobre, assistimos a oferta de projetos sociais, governamentais e não-governamentais, voltados a essa parcela da população. Propõem, entre seus objetivos, estimular a formação e participação juvenil, defendendo serem estas ações determinantes à transformação de realidades. Mas quais suas reverberações subjetivas? Ampliando a noção de participação para além dos espaços tradicionalmente reconhecidos, advogamos por um sentido de participação política que se expressa no cotidiano, promovendo ações em torno do bem comum, com respeito aos dissensos e conflitos, com reconhecimento e valorização da alteridade, manifestação de pensamento crítico e resistência a práticas instituídas e cristalizadas, o que viemos chamando de modos de subjetivação política. Através de entrevistas e da observação participante em eventos de formação política realizados com jovens lideranças de movimentos sociais que se denominavam militantes, o estudo teve como objetivo analisar modos e expressões de subjetivação política a partir da relação entre jovens, movimentos sociais e coletivos juvenis. A pesquisa revelou construções e expressões de subjetivação política que são dinâmicas, que se reconstroem frente a cenários, situações e personagens. Ainda, que tais construções se dão independente à vida militante, embora este contexto potencialize tal modo de subjetivar-se. Os modos de subjetivação política também não estão condicionados a habilidades de performances políticas, tais como oratória, retórica ou perfil de liderança, e se manifestam no cotidiano por meio de posicionamentos na direção do coletivo e também da revisão de si. O estudo revela, enfim, que os modos de subjetivação política dos jovens interlocutores tem lugar privilegiado de construção e reconstrução em espaços políticos de adesão, como o são os movimentos sociais. No entanto, é a partir de políticas de transformação assumidas na vida cotidiana que melhor se expressa a potência do sujeito político.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/18670
Aparece na(s) coleção(ções):Teses de Doutorado - Psicologia

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2016_Mendonça.pdf5,33 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons