Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/18571
Title: Inovação social e as influências bottom-up na atenção humanizada relacionada ao Método Canguru no Hospital das Clínicas – UFPE
Authors: COSTA, Íris Calado de Almeida
Keywords: Inovação Social; Método Canguru; Humanização em UTI Neonatal; Meio Inovador; Social Innovation; Kangaroo Care; Humanization in Neonatal ICU; Innovative Environment
Issue Date: 8-Jul-2016
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Abstract: A Inovação Social (IS) vem da necessidade em apoiar a sociedade na superação de desafios e oportunidades em diversos âmbitos, gerando valor social e trazendo bem estar para ela. No âmbito da saúde, além dos avanços tecnológicos e racionais que acompanham as inovações específicas desse setor, considera-se necessário um atendimento com integralidade ao ser humano, com valores subjetivos, pautados em ética, respeito e solidariedade na atenção humanizada. Nesse sentido, a Atenção Humanizada ao Recém-Nascido de Baixo Peso – Método Canguru (MC) foi proposta no Brasil pelo Ministério da Saúde, como política de governo em 1999 no Brasil para qualificar as interações sociais no Sistema Único de Saúde (SUS), através da mudança de valores e participação dos pais. Por meio do vínculo afetivo construído e da capacitação dos pais e familiares, todos se tornam emponderados para auxiliar nos cuidados do recém-nascido enfermo, que se beneficia desse vínculo para sua melhor recuperação. Considera-se que a Inovação Social pode emergir Top-down em que os agentes induzem a inovação externamente de “cima para baixo”, por exemplo: política de governo, empresa ou indústria; ou Bottom-up quando emergem de “baixo para cima” pela sociedade civil, indivíduos ou grupos. Assim, as influências Bottom-up podem garantir o sucesso da inovação e a sua replicação em um estágio mais avançado, dependendo do meio local onde está inserido. André e Abreu (2006) nomeiam essas questões locais por Meio Inovador que depende da Diversidade, Tolerância e Participação para se tornar mais ou menos capaz de inovar. O método canguru é alicerçado dentro da Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTINeo), que é o foco desse estudo. Portanto, é necessário compreender, em um contexto histórico, as características locais do modo como esse método vêm sendo adotado na UTINeo e as influências Bottom-up do meio onde ocorre IS, considerando seus desafios e potencialidades. Trata-se de um estudo de caso, qualitativo, seccional com perspectiva longitudinal nas áreas de administração e saúde. Foi escolhido como local de estudo a UTINeo do Hospital das Clínicas, pertencente a UFPE. Como resultados, infere-se que o Método Canguru é um exemplo de inovação social focado em um processo; compreende-se que existiram e ainda existem muitos desafios a serem superados conforme elencado em todas as fases históricas, ao passo que, também existem muitas potencialidades locais. Como fatores desafiantes citam-se: a rigidez da gestão pública, a falta de preparo e de prioridade dos gestores os quais a maioria não eram especialistas em gestão hospitalar, as deficiências da rede de serviços de saúde pública e a desmotivação dos processos participativos da equipe. Como fatores potenciais, o estímulo a gestão participativa do MC, esteve associado à criatividade, sensibilidade e interação da equipe de saúde, assim como a boa aceitação de novidades externas embasadas cientificamente, a não acomodação da equipe que tende a possuir postura de risco.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/18571
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado - Administração

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
DISSERTAÇÃO (2016-JULHO-08)- Íris Calado de Almeida Costa.pdf2.46 MBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons