Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/18558
Title: Estudo químico e farmacológico biomonitorado de sete espécies do gênero Miconia (Melastomataceae)
Authors: LEITE, Tonny Cley Campos
Keywords: Melastomataceae. Miconia.fitoquímica; Melastomataceae. Miconia. phytochemistry.
Issue Date: 31-May-2016
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Abstract: O gênero Miconia é composto por aproximadamente 1000 espécies, contudo apenas quinze já foram estudadas. Dentre as atividades biológicas descritas do gênero destacam-se ação antimicrobiana, antitumoral, antinociceptiva e antioxidante. Do ponto de vista químico destaca-se a presença de terpenoides e flavonoides. O presente trabalho teve como objetivo estudar as propriedades antimicrobianas e citotóxicas de espécies de Miconia. Para isto foram coletadas sete espécies: M. amacurensis, M. ciliata, M. holosericea, M. hypoleuca, M. minutiflora, M. mirabilis e M. prasina. Os extratos hexânico, acetato de etila e metanólico destas espécies foram avaliados frente a nove microrganismos pelo método de difusão em ágar com disco de papel e microdiluição em caldo para obtenção da sua Concentração Minima Inibitória (CMI) e Concentração Minima Microbicida (CMM). Além disso a atividade citotóxica destas espécies foi avaliada através do método MTT frente a quatro linhagens de células cancerígenas e duas linhagens de macrófagos murinos. No estudo fitoquímico determinou-se o perfil dos extratos por Cromatografia em Camada Delgada (CCD) utilizando-se reveladores específicos para cada classe de metabólitos secundários. Como resultado da difusão em ágar selecionou-se seis microrganismos que foram testados na microdiluição e nesta destacaram-se os extratos em acetato de etila de M. amacurensis e M. prasina ativos numa concentração de 60 μg/mL, e os extratos metanólicos de M. holosericea e M. mirabilis ativos nesta mesma concentração. Já na atividade citotóxica destacaram-se os extratos hexânico e acetato de etila de M. holosericea e M. hypoleuca por que conseguiram inibir o crescimento de três linhagens de células cancerígenas com uma inibição superior a 70 % e não foram tóxicos para as duas linhagens de macrófagos murinos. O perfil fitoquímico demonstrou a presença no geral de terpenos no extrato hexânico, terpenos e cumarinas no extrato acetato de etila e flavonoides e taninos no extrato metanólico. Para o estudo fitoquimico escolheu-se duas espécies que se destacaram na atividade biológica e do extrato hexânico da espécie M. hypoleuca resultou na identificação de oito triterpenos α-amirina, β-amirina, α-amirona, ácido ursólico, ácido oleanólico, lupeol, urs-12-en-3,11-diona, 3-hidróxi-urs-12-en-11-ona e um esteroide β-sitosterol, mais dois esteroides em identificação. Já o extrato AcOEt isolou-se 2 flavonoides em identificação e do extrato hexânico da espécie M. holosericea isolou-se 5 triterpenos e 3 esteroides que estão em identificação. Estes resultados evidenciam que as relevantes atividades encontradas estão relacionadas aos triterpenos e esteroides presentes em alta concentração nestas espécies.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/18558
Appears in Collections:Teses de Doutorado - Inovação Terapêutica

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
TESE TONNY 2016.pdf3 MBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons