Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/18521
Título: Joalheria, arte ou design?
Autor(es): VIDELA, Ana Neuza Botelho
Palavras-chave: Joalheria Contemporânea; Design e Antropologia; Artefato; Corpo; Contemporary Jewelry; Design and Anthropology; Artifact; Body
Data do documento: 8-Abr-2016
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Resumo: A proposta do estudo visou comparar duas formas de fazer joalheria, uma mais próxima dos paradigmas da arte e outra com um viés mais comercial para, dessa forma, entender os processos que condicionam a atuação dos produtores das duas categorias. Neste sentido, o objetivo da pesquisa foi identificar em quais circunstâncias a joalheria é considerada arte, por ser uma categoria orientada para a produção de trabalhos mais experimentais, os quais podem ter a intenção de problematizar a ornamentação corporal ou a linguagem da joalheria ou, ao contrário, em que contexto é compreendido como uma atividade fruto do processo de design, adotando, porém, os pressupostos da joalheria para atender ao mercado. Do ponto de vista metodológico, distinguir as características dos produtos gerados a partir da influência dos dois campos de atuação implicou no acompanhamento das práticas de produção, comercialização, eventos de divulgação dos segmentos e lançamentos de coleções, tanto das joias produzidas por designers de joias, quanto das joias produzidas por artistas joalheiros. A construção teórica da pesquisa objetivou abarcar o ponto de vista do sujeito e seu contexto, além da agência do objeto resultante da formação de coletivos produtores de joias. O estudo também abarcou a reflexão sobre corpo artefatual, não só em referência a um corpo fabricado, mas no intuito de entender o corpo como feito por artefatos. Neste sentido, a obra de Bruno Latour serviu como ferramenta para se pensar o corpo como constitutivamente sendo feito a partir da composição dos atores humano e atores não-humanos. Assim, um dos aspectos que se discute são as redes entre sujeitos e seus objetos. Como resultados, observamos que os joalheiros, por se situarem entre os dois campos de práticas, parecem se encontrar em um espaço liminar. De um lado, afirmam que o que os diferenciam das outras formas de produzir joalheria é a exploração ou experimentação do objeto associado ao corpo, o qual é dotado de intencionalidade, ao manifestar o pensamento de quem o fez. De outro lado, têm-se os produtores que se identificam com o campo do design, para quem todos os aspectos do comércio joalheiro devem estar cuidadosamente em consonância com a proposta do produto.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/18521
Aparece na(s) coleção(ções):Teses de Doutorado - Design

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Tese_AnaVidela-BC.pdf7,14 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons