Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/18519
Título: Fraturas em crianças e adolescentes atendidos em hospital de trauma do Recife: associação com uso prévio de glicocorticoides?
Autor(es): MELO, Verônica Maria Pinho Pessôa
Palavras-chave: Fraturas Ósseas;Glucocorticoides;Osteoporose;Criança;Adolescente;Fractures Bone;Glucocorticoids;Osteoporosis;Child;Adolescent
Data do documento: 1-Jul-2016
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Resumo: Introdução: o uso crônico de glicocorticoides é considerado a principal causa de osteoporose secundária e iatrogênica. Existem poucos estudos associando fraturas ao uso de glicocorticoides na faixa etária pediátrica. Eles poderiam ajudar na criação de abordagens preventivas e terapêuticas. Objetivos: avaliar se o uso de glicocorticoides, nos 12 meses precedentes, associou-se à ocorrência de fraturas em crianças e adolescentes; identificar a frequência de asma e outras doenças; comparar o perfil demográfico, o tipo de trauma, o índice de massa corpórea, a prática de exercício físico, a ingesta de leite e o tabagismo passivo domiciliar nos grupos com e sem fratura; verificar a frequência de deficiência de vitamina D. Métodos: no período de abril a outubro de 2015, um estudo tipo caso controle foi conduzido em crianças e adolescentes vitimadas por trauma, com e sem fratura, a partir da análise dos dados coletados. Resultados: foram estudados 104 pacientes, 50 com fratura e 54 com trauma, mas sem fratura. Ao todo, 80,4% eram meninos e 40,4% estavam na faixa etária de 10 a 14 anos. O uso prévio de glicocorticoides ocorreu em 15,4% do total, sem diferença estatisticamente significante entre os dois grupos. Entre 39 pacientes com fratura e que dosaram a vitamina D, 47,2% tinham níveis séricos < 30ng/ml. A prática de exercício físico associou-se a um aumento em 2,2 vezes no risco para fratura. Conclusões: este estudo não mostrou associação entre o uso prévio de glicocorticoides e a ocorrência de fraturas em crianças e adolescentes. A faixa etária de 10 a 14 anos, o trauma grave e o exercício físico associaram-se com um maior risco para fraturas. Cerca de metade de uma amostra dos pacientes com fratura apresentou níveis insuficientes/deficientes de vitamina D, mesmo em região tropical.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/18519
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Ciências da Saúde

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Dissertação Mestrado Verônica Melo CCS.pdf1,36 MBAdobe PDFVer/Abrir    Item embargado


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons