Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/18489
Título: Investigando a ecolalia no autismo: há possibilidade de um novo olhar?
Autor(es): REGO, Fabiana Lins Browne
Palavras-chave: Autismo; Ecolalia; Linguagem; Autism; Echolalia; Language
Data do documento: 21-Fev-2006
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Resumo: Embora a aquisição da linguagem tenha sido um campo de elaboração teórica e investigação empírica bastante profícuo, sobretudo a partir dos meados do século passado, ainda são reduzidas as investigações acerca da singularidade e vicissitudes da linguagem de crianças que apresentam um obstáculo no seu percurso linguístico. Atualmente, pesquisas empíricas realizadas em torno da questão da linguagem do autista, em sua maioria, priorizam em seus resultados a perpetuação de um fechamento da mesma num registro não significativo, não simbólico e não comunicativo. Os estudos que exploram especificamente a ecolalia têm enfatizado os aspectos descritivos, conceituais ou nosográficos. Entretanto, a atividade clínica com crianças autistas nos mostra que essas apresentam uma relação singular com a linguagem a qual é ainda pouco destacada pelos modelos teóricos vigentes. A partir destas considerações, baseando-se nos marcos teóricos da Psicanálise e do estruturalismo linguístico ressignificados por Cláudia Lemos, no campo da aquisição da linguagem, o presente trabalho teve o objetivo de investigar as produções ecolálicas de dois pré-adolescentes com o diagnóstico de autismo. Tentou-se, portanto, buscar explicações que não se restringissem às polaridades normal versus patológico / correto versus incorreto, mas, a partir de uma análise aprofundada procurou-se apreender singularidades ou mudanças na verbalização ecolálica que pudessem indicar a posição subjetiva desses sujeitos frente à língua. Para atingir o objetivo proposto foram analisadas as produções verbais ecolálicas de dois sujeitos com idades de 12 e 11 anos respectivamente, participantes de grupos de terapia em instituições especializadas no atendimento aos portadores de autismo. Os resultados obtidos a partir da análise longitudinal das transcrições das sessões de terapia revelaram não só singularidades nas produções ecolálicas dos participantes do estudo como permitiram a identificação de mudanças qualitativas do ponto de vista estrutural, na sua relação com a linguagem, abrindo-se um espaço para o estabelecimento de um diálogo entre os campos da aquisição da linguagem e da patologia da linguagem.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/18489
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Psicologia Cognitiva

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
FABIANA LINS BROWNE REGO - Dissertação Final 2016.pdf1,74 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons