Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/18472
Título: O nascimento do panteísmo ayahuasqueiro e os seus processos de cura
Autor(es): BITTENCOURT, Miguel Colaço
Palavras-chave: Panteísmo; Cura; Religião Ayahuasqueira; Etnografia; Ritual; Pantheism; Healing; Ayahuasca Religion; Ethnografhy; Ritual
Data do documento: 5-Ago-2015
Editor: Universidade Federal de Perdanambuco
Resumo: O campo religioso ayahuasqueiro é comumente conhecido e estudado pelos ditos principais grupos e movimentos (Santo Daime, Barquinha e União do Vegetal). Esta pesquisa traz uma nova perspectiva do uso religioso da Ayahuasca pelas características filosóficas do grupo, a Sociedade Panteísta Ayahuasca – Panhuasca, situada em Pernambuco/ Brasil. Nesta junção de tradições, a xamânica pelo uso das plantas de poder e a filosófica, o grupo panteísta tem seus sincretismos, símbolos e aprendizados particulares sobre o uso do enteógeno Ayahuasca. Tais significados em torno da bebida correspondem à perspectiva panteísta e a produção do conhecimento religioso do fundador do grupo, o médico e filósofo Régis Barbier. Desse modo, esta pesquisa procura compreender as dinâmicas ritualísticas panteístas de acordo com a perspectiva monista presente do grupo, a perspectiva metafísica cosmoexistencial. A partir destas abordagens, reflete-se sobre a cura neste contexto de atuação pela noção da transformação e (des)continuidade subjetiva, para compreender como os sujeitos se tornam panteístas e aderem a esse modo de pensar e se posicionar no mundo. A cura é abordada nesta pesquisa como uma transformação pela ressignificação da perspectiva existencial e identificação com a perspectiva Cosmo-existencial pela vivência de imersão na(o) cerimônia/rito panteísta. Para refletir sobre a cura, esta pesquisa explora o estudo do ritual, da experiência, da performance e do paradigma da corporeidade. Em última análise, este trabalho pretende iniciar a compreensão da identidade panteísta, o self-panteísta correlacional com o ethos religioso. Desta maneira, cabe a antropologia como disciplina acompanhar e refletir sobre o campo ayahuasqueiro, as composições, (re)criações e particularidades, assim como, compreender os diversos sujeitos que compõem este cenário social.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/18472
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Antropologia

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
O nascimento do panteísmo ayahuasqueiro e os seus processos.pdf10,18 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons