Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/1847
Title: Atividade hemaglutinante e larvicida (Aedes aegypti) na água tratada com sementes de Moringa oleifera
Authors: Soares Coelho, Juliene
Keywords: Aedes aegypti;Larvicidal activity;Lectin;Moringa oleifera
Issue Date: 2007
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Citation: Soares Coelho, Juliene; Cassandra Breitenbach Barroso Coelho, Luana. Atividade hemaglutinante e larvicida (Aedes aegypti) na água tratada com sementes de Moringa oleifera. 2007. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Bioquímica, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2007.
Abstract: Sementes de Moringa oleifera têm sido freqüentemente usadas como coagulante para o tratamento de água no Nordeste do Brasil, local com alta incidência de dengue. Lectinas constituem um grupo de proteínas heterogêneas capazes de reconhecer e ligar reversivelmente carboidratos e glicoproteínas. Inibidores de protease impedem a atividade enzimática pela formação de complexos estáveis com tripsina e/ou quimotripsina. Lectinas e inibidores de tripsina com atividade inseticida têm sido descritos. O objetivo deste trabalho foi avaliar na água tratada com sementes de M. oleifera, a partir das atividades hemaglutinante (AH), inibidora de tripsina e larvicida. Água destilada foi tratada com 1, 3, 6 ou 15 sementes de M. oleifera (MoW). Ensaio para lectina usou eritrócitos de coelho. MoW foi avaliada para atividade inibidora de tripsina usando N-&#945;-benzoil-DL-arginil-&#961;-nitroanilida (BAPNA). Bioensaio larvicida foi feito usando larvas do vetor da dengue, Aedes aegypti. Desenvolvimento, mortalidade e aspectos morfológicos das larvas foram analisados. MoW contém AH e não foi capaz de inibir tripsina. Redução significante do desenvolvimento larval foi observado após 24, 48 e 72 h de incubação com MoW. Larvas no 4º estádio (L4) foram detectadas somente no controle, MoW1 e MoW3. Significante (p<0. 0001) taxa de mortalidade foi detectada na preparação lectínica mais ativa, MoW15 (45%). Diferenças morfológicas nas larvas em L4 incubadas com MoW1 foram observadas quando comparadas ao controle por microscopia ótica invertida. Os resultados obtidos sugerem a avaliação das sementes de M. oleifera para o controle do vetor da dengue. A presença de AH na preparação ativa sobre as larvas do A. aegypti pode indicar o envolvimento de lectina no efeito larvicida de MoW
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/1847
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado - Bioquímica e Fisiologia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
arquivo4557_1.pdf808.46 kBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.