Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/18458
Título: Estudo osteoarqueológico das remodelações articulares nos adultos jovens inumados no Cemitério Pré-histórico da Furna do Estrago, Brejo da Madre de Deus, PE.
Autor(es): ALENCAR, Rebeca Oliveira de Assis
Palavras-chave: Bioarqueologia;Paleopatologia;Osteoartrite;Pré-História;Região Nordeste;Furna do Estrago;Bioarcheology;Paleopathology;Osteoarthritis;Prehistory;Brazilian Northeast Region;Furna do Estrago
Data do documento: 29-Jan-2016
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Resumo: A produção de conhecimento científico na área de Bioarqueologia no Nordeste brasileiro ainda tem se mostrado escassa, apesar dos avanços que a disciplina tem provado e da quantidade de sítios com remanescentes humanos que tem sido alvo de estudos por parte da Arqueologia. A Furna do Estrago, sítio com presença de grafismos rupestres e deposição funerária no Agreste do Estado de Pernambuco, forneceu rico material arqueológico e tem sido alvo de pesquisas em diversas áreas da Arqueologia (Arqueobotânica, Zooarqueologia, Antropologia Física, Bioarqueologia) desde sua primeira campanha de escavação, em 1982. O material ósseo proveniente do sítio supracitado, objeto desta pesquisa, apresenta bom estado de conservação e múltiplas variáveis dignas de estudo. Esta pesquisa tem como foco as remodelações ósseas características da osteoartrite nos adultos jovens – com idade entre 20 e 34 anos – que foram inumados no sítio Furna do Estrago, utilizando os métodos e técnicas da Bioarqueologia, Paleopatologia e Antropologia Física. A osteoartrite é uma doença das articulações que afeta principalmente pessoas com idade avançada, mas pode ser causada também por fatores como estresse mecânico e consanguinidade. A partir da análise macroscópica das remodelações patológicas em 16 indivíduos, dentre os quais 4 femininos e 12 masculinos, foram identificados sinais de osteoartrite nas superfícies articulares em 13 (≈81%) indivíduos. A hipótese inicial de que a osteoartrite teria como fator principal a sobrecarga mecânica a que os esqueletos eram expostos não foi completamente descartada. Contudo, a causa possível para a presença de osteoartrite nos indivíduos jovens do grupo parece estar ligada à consanguinidade presente no grupo. Este estudo contribui para a caracterização de instâncias do perfil funerário de uma população pré-histórica do Agreste pernambucano, representadas pelas doenças articulares – osteoartrite –, indicando estresses associados ao tipo de mobilidade e demanda corporal possivelmente relacionada aos modos de interação social, subsistência e adaptação ambiental específicas.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/18458
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Arqueologia

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
DISSERTAÇÃOREBECAALENCAR.pdf1,64 MBAdobe PDFVer/Abrir    Item embargado


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons