Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/18396
Título: O tropicalismo pernambucano: história de um “Tigre de Vanguarda” (1967-1968)
Autor(es): ARETAKIS, Felipe Pedrosa
Palavras-chave: Grupo Construção;Grupo Raiz;Jomard Muniz de Britto;Poema-Processo;Tropicalismo;Group Construction;Group Root;Poem-Process;Tropicalism
Data do documento: 30-Ago-2016
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Resumo: A tessitura deste trabalho constitui-se de uma narrativa histórica sobre a instalação da vanguarda tropicalista no campo cultural pernambucano especificamente entre os anos de 1967 e 1968. Muito embora o golpe civil e militar de 1964 houvesse instaurado no país, principalmente entre as fileiras progressistas dos campos político, intelectual e artístico, um clima de tensão permanente, alguns setores da produção cultural pernambucana destacaram-se por sua articulação e resistência no período pós-golpe. Através do protagonismo artístico dos Grupos Construção e Raiz, entre os anos 1965 e 1967, com a realização de shows-pesquisas, festivais de bossa nova, feiras regionais de música, programas musicais de televisão bem como cursos acadêmicos foi possível reintroduzir no cenário cultural local a discussão sobre a atualização da identidade nordestina a partir dos discursos da modernidade. A agitação cultural promovida por tais grupos, no entanto, seria radicalizada pelo professor universitário e ensaísta Jomard Muniz de Britto e outros artistas e intelectuais a partir de 1968. Oriundos do mesmo grupo de sociabilidade que havia construído as ideias e práticas culminantes tanto do Construção quanto do Raiz, acrescidos posteriormente de alguns integrantes do Grupo Sanhauá bem como do Poema-Processo, os tropicalistas promoveram uma verdadeira carnavalização artístico-intelectual entre as cidades de Recife e Olinda. Sob a égide da antropofagia oswaldiana, agenciada àquela altura pela vanguarda artística brasileira, os tropicalistas pernambucanos visualizaram no coro da marginalidade o caminho ideal para promoção da desprovincianização da cultura nordestina.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/18396
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - História

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Dissertação DIGITAL.pdf3,82 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons