Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/18392
Title: Efeito do treino com exercícios aeróbicos em mulheres com fibromialgia e migrânea
Authors: BARROS, Manuella Moraes Monteiro Barbosa
Keywords: Transtornos de enxaqueca;Cefaleia;Fibromialgia;Exercício aeróbico;Migraine disorders;Headache;Fibromyalgia;Aerobic exercise
Issue Date: 31-Aug-2016
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Abstract: Introdução: Fibromialgia e migrânea são doenças com alta prevalência em mulheres entre a faixa etária de 30-60 anos, que parecem compartilhar o mesmo mecanismo fisiopatológico; ambas originam-se de distúrbios neuro-endócrinos do eixo hipotalâmico-hipofisário no sistema nervoso central, portanto estão intimamente relacionadas. Além da forte relação com a migrânea, a fibromialgia também pode estar associada com distúrbios do sono, fadiga crônica e distúrbios psicológicos. A combinação desses fatores diminui a qualidade de vida e contribui para o aumento do sedentarismo nessa população. Sabe-se que a prática de exercícios físicos promove alterações positivas na via fisiopatológica da dor por aumentar a liberação de endorfinas neuroendógenas, melhorando a sintomatologia da fibromialgia. Objetivo: Avaliar os efeitos de treinos aeróbicos de diferentes intensidades sobre a frequência, duração e intensidade das crises de migrânea em mulheres com fibromialgia. Métodos: Foi realizado um ensaio clínico paralelo randomizado duplo-cego com 10 mulheres diagnosticadas com fibromialgia e migrânea, com idade entre 30 a 57 anos de idade (49±8 anos). Inicialmente, todas responderam questionários que avaliavam qualidade de vida, impacto da cefaleia, nível de depressão e ansiedade, qualidade do sono, nível de atividade física presença de catastrofização da dor, questionário de percepção de mudança, e; foi realizada a ergoespirometria para investigação da tolerância ao exercício. O grupo intensidade moderada (n=6) realizou protocolo composto por aquecimento, exercícios aeróbicos (de acordo com a frequência cardíaca estabelecida para o treinamento por meio da ergoespirometria) e desaquecimento; já o grupo intensidade leve (n=4) realizou o aquecimento com velocidade baixa e freqüência cardíaca 10bpm abaixo da obtida no primeiro limiar. Ambos os grupos foram acompanhados durante 8 semanas, com frequência de três encontros semanais e, reavaliados a cada 4 semanas. Resultados: Não houve diferenças significativas nos desfechos principais entre os grupos intensidade moderada e intensidade leve (p>0,05). O treino aeróbico de intensidade moderada mostrou melhoras na qualidade do sono com 4 semanas de tratamento no grupo de intensidade moderada (p=0,02), mas o resultado não se manteve ao final das 8 semanas. Também no grupo de intensidade moderada, 83,3% das participantes relataram melhora significante ao final da intervenção. Conclusão: O estudo não mostrou diferenças entre as características da cefaleia (frequência, duração e intensidade) entre os grupos de intensidade moderada e intensidade leve após a aplicação de um treino de exercícios aeróbicos.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/18392
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado - Fisioterapia



This item is protected by original copyright



This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons