Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/18385
Título: Identificação de potenciais biomarcadores No colesteatoma adquirido
Autor(es): ARAÚJO, Juliana Gusmão De
Palavras-chave: Colesteatoma. Proteômica. Lisofosfolipase. β-actina. Stanniocalcina-2;Cholesteatoma. Proteomics. Lysophospholipase. β-actin. Stanniocalcin-2
Data do documento: 26-Dez-2012
Editor: Universidade Federal De Pernambuco
Resumo: O colesteatoma adquirido, mesmo com os conhecimentos acumulados desde sua primeira descrição, ainda se mantém como um problema de saúde pública distante de ser solucionado. O entendimento mais profundo da patogênese do colesteatoma é de extrema importância visto que a natureza desta lesão é destrutiva e causadora de complicações potencialmente graves. Apesar das teorias propostas e das várias proteínas terem sido identificados no colesteatoma, a verdadeira etiopatogenia da doença ainda carece de investigações. Objetivo: Identificar biomarcadores do colesteatoma adquirido utilizando a plataforma proteômica. Casuística e Métodos: Foram coletadas amostras de colesteatoma e também fragmento de pele da região retroauricular de 12 indivíduos submetidos a cirurgia para remoção do colesteatoma. As amostras foram armazenadas em solução salina e mantidas a -20ºC até pesagem tecidual e extração das proteínas. Eletroforese bidimensional foi realizada, os géis foram corados com nitrato de prata e suas imagens digitalizadas. Todas as análises foram realizadas em triplicatas. Os peptídeos extraídos após a digestão do spots foram levados à espectrometria de massa e os espectros obtidos foram analisados usando o algoritmo Mascot utilizando os bancos de dados de proteína do NCBI e SwissProt. Resultados: Dos 393 spots identificados na análise do extrato proteico de colesteatoma adquirido, apenas 10 estavam dentro dos parâmetros estatísticos aceitáveis pelo algoritmo Mascot. As principais proteínas detectadas no colesteatoma adquirido foram a cadeia beta do fibrinogênio, proteína da matriz extracelular 2, actina citoplasmática 1, heparan sulfato glucosamina 3-O-sulfotransferase 3A1, fator de necrose tumoral alfa induzido proteína 8-like 1, Stanniocalcina-2, lisofosfolipase eosinofílica e OFUT1.Conclusão: Foram identificadas proteínas envolvidas com a migração celular, regulação da apoptose, vias de sinalização, hiperproliferação celular, cicatrização e processos inflamatórios. Pudemos, desta maneira, traçar um perfil proteômico do colesteatoma adquirido.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/18385
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Cirurgia

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Juliana Gusmão de Araujo.pdf5,11 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons