Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/18372
Title: Rio de Janeiro patrimônio mundial: a “invisível” paisagem entre a montanha e o mar
Authors: CARDOSO, Flora Oliveira de Souza
Keywords: paisagem cultural; Rio de Janeiro; patrimônio mundial; paisagem urbana; cultural landscape; Rio de Janeiro; world heritage; urban landscape
Issue Date: 8-Jul-2016
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Abstract: A paisagem cultural do Rio de Janeiro foi inscrita em 2012 na Lista do Patrimônio Mundial da UNESCO sob o título Rio de Janeiro, Paisagens Cariocas entre a Montanha e o Mar. Tratase de um trecho que acompanha a orla da cidade junto à baía de Guanabara, e que inclui também os maciços do Parque Nacional da Tijuca e sua grande floresta urbana. Apesar da justificativa do valor patrimonial, o trecho da área urbana localizada entre a montanha e o mar não faz parte da delimitação da paisagem cultural. Essa ocorrência levantou questionamentos quanto ao trato da paisagem como patrimônio, principalmente das paisagens urbanas. Sendo assim, o objetivo da pesquisa foi verificar em que medida os critérios da UNESCO para inscrição de paisagens culturais contemplam as características urbanas da cidade do Rio de Janeiro. A partir de um estudo teórico-conceitual sobre a paisagem e de sua relação com o patrimônio foi definida a abordagem da paisagem, segundo Berque, como uma entidade relacional entre o homem e o meio. Então parte-se para caracterizar a cidade do Rio de Janeiro por sua riqueza geográfica ao longo da história analisando a relação intrínseca cidade e natureza no processo de urbanização que revelou sua paisagem ao mundo para designá-la de valor excepcional universal. Práticas locais, como a Convenção Europeia da Paisagem, mostraram que a UNESCO não tem contemplado as demandas contemporâneas das paisagens, pois os critérios utilizados pela organização privilegiam a relação literal entre homem e meio, como as atividades agrícolas ou espirituais, e pouco atendem aos contextos mais complexos como os urbanos. A inclusão da paisagem carioca na Lista do Patrimônio Mundial se configura como uma exceção, assim como a paisagem cultural da cidade turca Diyarbakir. Em ambas o caráter das paisagens culturais está vinculado aos atributos naturais, sendo valorizadas por suas visadas, distanciando-se dos atributos urbanos considerados de difícil gestão. Essas duas questões, a dificuldade de gestão e o trato da paisagem como “imagem”, negligenciam suas características culturais intangíveis, e são responsáveis pela invisibilização das paisagens urbanas como patrimônio cultural.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/18372
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado - Desenvolvimento Urbano



This item is protected by original copyright



This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons