Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/18359
Title: A theory of power in software ecosystems formed by small-to-medium enterprises
Authors: SANTOS, George Augusto Valença
Keywords: Ecossistema de software;Parcerias;PME;Poder;Dependência;Estudo de caso múltiplo;Análise cross-case;Software Ecosystem;Partnerships;SME;Power;Dependence;Multiple Case Study;Cross-case analysis
Issue Date: 26-Aug-2016
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Abstract: Contexto: o surgimento de ecossistemas de software tem mudado a dinâmica da indústria de software na última década. Um ecossistema consiste em um conjunto de empresas que funcionam como uma unidade e interagem com um mercado compartilhado de software e serviços, junto com os relacionamentos que as envolvem. Ecossistemas de software têm origem nas parcerias entre empresas de software como uma estratégia para adquirir competências e funcionalidades complementares, obter novos clientes, bem como dividir custos de P&D. Neste cenário, as empresas parceiras dependem umas das outras para sobrevivência e efetividade, o que gera uma rede de atores dependentes e um fluxo de poder entre eles. Objetivos: o objetivo desta pesquisa é desenvolver uma teoria substantiva para explicar como poder e dependência se manifestam em parcerias entre pequenas e médias empresas (PMEs) construindo um ecossistema de software. Este resultado nos permite descrever a dinâmica das parcerias neste ambiente, uma vez que poder é uma partícula atômica de base dos relacionamentos. Método: nós realizamos dois estudos de caso exploratórios de ecossistemas de software formados por PMEs. Nós coletamos dados qualitativos ricos de oito empresas de software por meio de vinte e sete entrevistas semiestruturadas. Além disso, nós consideramos documentos internos das empresas, notas de campo e dados da web. Análise temática foi adotada para organizar e descrever o conjunto de dados. Os resultados foram interpretados à luz de um quadro teórico apoiado pela taxonomia de poder de French e Raven, e posteriormente refinados em seis entrevistas de confirmação com as empresas. Por fim, nós realizamos um processo de cruzamento de casos para sintetizar nossos resultados e construir a teoria. Resultados: a teoria resultante, denominada PRM-SECO, destaca as interações entre diferentes formas de poder, além da correspondente(s) fonte(s) no ecossistema de software. Ela revela que (1) o poder é fluido em um ecossistema de software formado por PMEs; (2) base de clientes e competências/conhecimento são as fontes de poder mais frequentemente usadas pelas PMEs; (3) poder do conhecimento é a forma de poder fundamental, que gera a maioria das capacidades de poder que as PMEs possuem; (4) poder de recompensa aproxima o parceiro e muitas vezes é exercido pelas PMEs; (5) poder coercitivo perturba as parcerias e raramente é exercido pelas PMEs; (6) poder de referência tende a suplantar outras formas de poder e raramente é detido pelas PMEs; e (7) poder legítimo é a forma de poder mais frequentemente exercida pelas PMEs. Conclusão: esta teoria oferece uma melhor compreensão sobre como poder e dependência influenciam o comportamento e coordenação de empresas em um ecossistema de software. O foco particular em PMEs complementa o estado-da-arte, uma vez que a maioria das pesquisas na área diz respeito a ecossistemas governados por grandes atores, tais como SAP e Apple. É uma lente útil para que pesquisadores explorem parcerias em ecossistemas. Além disso, é uma ferramenta valiosa para as empresas analisarem a distribuição de poder, terem ideias sobre como evoluir a sua participação na rede e definirem estratégias sustentáveis para a governança do ecossistema.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/18359
Appears in Collections:Teses de Doutorado - Ciência da Computação



This item is protected by original copyright



This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons