Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/18243
Título: Encapsulamento de Bifidobacterium lactis e sua tolerância a fluidos simulados do trato gastrointestinal
Autor(es): OLIVEIRA, Nízia Mayra de
Palavras-chave: Alginato de cálcio; B. lactis; Encapsulação; Lipossomas; Probióticos; Tolerância
Data do documento: 23-Jan-2014
Resumo: Probióticos são microorganismos vivos que quando ingeridos em quantidades adequadas, promovem benefícios à saúde do hospedeiro por meio do balanceamento da microbiota intestinal. Entre os microrganismos que são considerados como probióticos destaca-se Bifidobacterium animalis subspécie lactis. O objetivo do presente trabalho foi cultivar células de B. lactis e avaliar a tolerância das células livres e encapsuladas a fluidos simulados do trato gastrointestinal. Inicialmente, foram realizadas fermentações em meio caldo MRS (cultivos estacionário ou agitado; concentrações de inóculo de 1 e 5% v/v). A melhor condição de produção de células obtida neste ensaio foi utilizada para a fermentação em meio à base de soro de leite nas condições de 40%, 70% e 100% (v/v). Em seguida, as células foram submetidas a dois processos de encapsulação: imobilização por oclusão utilizando alginato de cálcio (1% p/v) na proporção células/alginato 1:4; e encapsulação em lipossomas contendo lecitina de soja como lipídio. Testes em condições simuladas do trato gastrointestinal em diferentes condições de pH e contendo pepsina, pancreatina e bile foram realizados com as células livres e encapsuladas em lipossomas. O melhor resultado de crescimento celular em caldo MRS foi observado na condição de 5% de inóculo a 50 rpm, enquanto que a melhor condição de fermentação em soro de leite foi obtida para 100% de concentração volumétrica de soro. O encapsulamento em alginato de cálcio demonstrou que a concentração de células viáveis diminui de 2,20 x 108 UFC/mL na suspensão células/alginato para 8,30 x 105 UFC/g nas microcápsulas. Após 20 dias, ocorre perda total da viabilidade das células encapsuladas. O processo de encapsulação em lipossomas foi mais eficiente, atingindo uma concentração de células viáveis na suspensão lipossomal de 1,5 x 108 UFC/mL. Os testes de simulação em condições do trato gastrointestinal com as células encapsuladas sugerem que no primeiro estágio (presença de pepsina a pH 2,0) as células ficam em estado de latência após exposição por 2 h, não sendo detectada viabilidade celular. Após os estágios sucessivos na presença de pancreatina e bile (pH 8,0), ocorre uma pequena recuperação da viabilidade após um período total de ensaio de 6 h.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/18243
Aparece na(s) coleção(ções):TCC - Nutrição

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
OLIVEIRA, Nízia Mayra de.pdf1,35 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.