Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/1811
Título: Perfil Proteômico e Imunômico da Lectina Ligadora de Manose (Mbl) em Indivíduos Portadores do Vírus da Hepatite
Autor(es): ALBUQUERQUE, Diego Araújo Pessoa de
Palavras-chave: dot-N-man; HCV; MBL
Data do documento: 31-Jan-2010
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Araújo Pessoa de Albuquerque, Diego; Bezerra de Carvalho Junior, Luiz. Perfil Proteômico e Imunômico da Lectina Ligadora de Manose (Mbl) em Indivíduos Portadores do Vírus da Hepatite. 2010. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2010.
Resumo: A lectina ligadora de manose (mannan binding lectin - MBL) é membro das glicoproteínas plasmáticas, um grupo de proteínas que se caracteriza pela interação com um ou mais resíduos de açúcares específicos expressos em vários sistemas biológicos. Concentrações reduzidas de MBL tem sido relacionadas com a diminuição na resposta a varias doenças infecciosas. Inúmeras formas oligoméricas da MBL, com diferentes capacidades funcionais, são encontradas no sangue humano. Estudos controversos lidam com a possível associação entre mutações no gene da MBL e a infecção com o vírus da hepatite C (hepatitis C vírus - HCV). Não existem associações significativas entre pacientes com baixos níveis séricos de MBL e as características de desenvolvimento da doença, incluindo a resposta a terapia antiviral. O presente estudo teve como objetivo propor um ensaio prático para purificação de formas moleculares de MBL em amostras de soro de pacientes infectados com HCV visando investigar a estrutura e o genótipo desta lectina. Os resultados do ensaio de dot-N-man demonstraram uma boa eficiência na separação da MBL utilizando membrana de nitrocelulose revestida de manana. A identificação de MBL foi confirmada em todos os genótipos por método convencional de dot-ELISA. Bandas protéicas em gel de eletroforese revelaram diferentes padrões de migração entre os genótipos AA, A0 e 00, entre 50-90 KDa, e 270 KDa, relacionadas com a variação de baixa e alta massa molecular da subunidade estrutural de MBL, respectivamente. Nas amostras de SDS-PAGE não redutora observou-se uma maior variedade de massas moleculares, como dímeros, trímeros, e as unidades estruturais de MBL, principalmente em indivíduos AA. A analise de western blotting confirmou a presença de alta (128 KDa) e baixa (32KDa) massas moleculares da MBL. Foi também observada a presença de MBL com massa molecular de 128 KDa, a qual não é muito comum. Os resultados mostraram que ambas, baixa e alta formas moleculares, foram identificadas e também houve variação com a genotipagem dos pacientes. Os resultados descrevendo o proteoma das formas moleculares de MBL em pacientes com HCV contribuíram para melhor compreensão da estrutura/genótipo da MBL nesta patologia que pode estar associada à resposta ao tratamento
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/1811
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Ciências Biológicas

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo415_1.pdf1,51 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.