Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/17957
Título: Mapeamento de risco a movimentos de massa e inundação em áreas urbanas do município de Camaragibe
Autor(es): MANTOVANI, Bárbara
Palavras-chave: Ocupação desordenada. Movimentos de massa. Inundação. Mapeamento de risco. Vulnerabilidade. Suscetibilidade.; Disorderly occupation. Mass movements. Flooding. Risk mapping. Vulnerability. Susceptibility.
Data do documento: 29-Jul-2016
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Resumo: A urbanização acelerada associada à ausência histórica de políticas públicas habitacionais levou à população a ocupar desordenadamente áreas de encostas e planícies alagáveis, impulsionando a ocorrência de processos do meio físico causadores de desastres. Frente à ocorrência de eventos de movimentos de massa e inundação de alta magnitude, foi aprovada em 2012 a Lei nº. 12.608 que estabelece diretrizes voltadas à gestão e redução de riscos, com destaque às ações preventivas. Para tanto, o Governo Federal por meio do Ministério da Integração Nacional / Secretaria Nacional de Defesa Civil, iniciou uma parceria com a Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), através do Grupo de Engenharia Geotécnica de Encostas, Planícies e Desastres (GEGEP), com o projeto intitulado “Avaliação da vulnerabilidade e do risco em áreas suscetíveis a deslizamentos e inundações em Pernambuco”. Como compromisso desta parceria e parte da dissertação, foram mapeadas áreas de risco médio, alto e muito alto a processos de movimentos de massa e inundação do município de Camaragibe – PE, considerando aspectos da vulnerabilidade e suscetibilidade. Como complemento, duas áreas foram expandidas e mapeadas em sua amplitude, abrangendo todos os níveis de risco. No total, o mapeamento consta de 102 áreas sujeitas a processos de movimentos de massa e 2 à inundação, distribuídas em 67,56 ha concentrados na porção centro-sul do município onde reside 90% da população local. Foi aplicada a metodologia qualitativa de mapeamento, proposta pelo GEGEP / UFPE e embasada em experiências anteriores, associando vulnerabilidade, através de aspectos físicoambientais e socioeconômico e culturais, e suscetibilidade, a partir de informações geológicogeotécnicas, geomorfológicas e de uso e ocupação do solo. O grau de risco foi obtido por meio de uma matriz que correlaciona estes dois indicadores e 27% dos subsetores obtiveram risco muito alto, 60% alto (incluindo as 2 áreas de inundação), 12% médio e 1% baixo. A metodologia mostrou-se adequada e com boa representação das condições encontradas em campo. Foram comentados os aspectos gerais do município e apresentada a síntese da caracterização geológico-geotécnica de uma encosta com problemas de estabilidade, objeto de pesquisas anteriores do GEGEP / UFPE, bem como suas condições atuais. As características institucionais do município foram avaliadas, os elementos de interesse representados espacialmente e intervenções básicas de engenharia foram propostas para a mitigação de uma área de risco muito alto.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/17957
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Engenharia Civil

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Dissertação Bárbara Mantovani.compressed.pdf14,03 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons