Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/17826
Title: Avaliação do efeito antidiabético de Parkinsonia aculeata L. (Caesalpiniaceae) em ratos wistar com síndrome metabólica: repercurssões bioquímicas e moleculares
Authors: FRANCO, Eryvelton de Souza
Keywords: Resistência insulínica; Diabetes tipo II; Obesidade; Dieta ocidentalizada; Parkinsonia aculeata; Insulin resistance; Diabetes type II; Obesity; Westernized diet; Parkinsonia aculeata
Issue Date: 11-Mar-2016
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Abstract: A crescente substituição dos alimentos in natura por produtos industrializados (ricos em carboidratos simples, lipídios, elevado teor em sódio e baixo teor em fibras), associados a um estilo de vida sedentário, vem contribuindo para o aumento da prevalência de pessoas obesas e consequentemente pré-dispostas ao desenvolvimento da Síndrome Metabólica (SM), condição clínica que compreende alterações específicas, incluindo obesidade abdominal, resistência à insulina, dislipidemia e hipertensão. Várias opções terapêuticas convencionais, bem como espécies vegetais com propriedades medicinais, têm sido utilizadas no tratamento dos distúrbios verificados na SM. Nesse contexto, a Parkinsonia aculeata L., indicada popularmente para o controle do diabetes, vem sendo estudada quanto ao seu perfil fitoquímico e farmacológico, revelando resultados promissores em modelos animais de diabetes e de dislipidemias. Dessa forma, o objetivo deste estudo foi avaliar os efeitos bioquímicos e moleculares do extrato hidroalcoólico (HA) e partição (HAP - HA/acetato de etila) de P. aculeata sobre o perfil glicêmico de ratos Wistar com SM induzida por Dieta Ocidentalizada (DO). Foram acompanhados 42 ratos Wistar machos pós-desmame (21 dias), divididos inicialmente em dois grupos, que receberam dieta padrão para roedores (Presence®- DP) ou DO durante 150 dias. Em seguida, esses animais foram divididos em seis subgrupos, os quais foram tratados por gavagem durante 30 dias consecutivos, com HA ou HAP (130 ou 65 mg/kg/dia), Metformina (500 mg/kg/dia) ou água destilada (10 ml/kg/dia). A evolução ponderal de todos os animais foi avaliada semanalmente até os 150 dias de consumo das dietas. Aos 90, 120 e 150 dias foram registradas as dimensões corporais e teste de tolerância oral à glicose (TTOG) e aos 150 dias, o teste de resistência à insulina (TRI), perfil lipídico, hematológico e de proteínas séricas. A evolução ponderal continuou sendo avaliada uma vez por semana durante os 30 dias de tratamento e ao final todas as variáveis supracitadas foram novamente avaliadas. Posteriormente, os animais foram anestesiados e eutanasiados por decapitação. Em seguida, foram determinados o peso dos órgãos (coração e fígado), dos tecidos (adiposo, abdominal e epididimal), os níveis séricos de corticosterona, IL-6, IL-8, TNF-α, insulina e a concentração do glicogênio hepático e muscular. Nossos resultados mostraram que os animais submetidos à DO apresentaram sinais de SM (aumento da circunferência abdominal, dislipidemia, hiperglicemia), com diferença (p<0,05) média de 23,01% ± 0,78% no peso a partir da 10ª semana, chegando a 23,85% ± 0,96% na 22ª semana. Aos 150 dias, todos os subgrupos DO apresentaram nítida tolerância à glicose nos tempos de 60, 90 e 120 minutos, e o TRI através do Kitt revelou um aumento médio (p<0,05) no tempo de meia vida da glicose de 75,63%, comparados ao grupo DP. Os subgrupos DO apresentaram aumento médio (p<0,05) de colesterol e triglicerídeos de 23,59% e 38,75%, respectivamente, comparados aos do grupo DP. O tratamento com a partição HAP (130 mg/kg), mesmo com a continuidade do consumo da DO pelos animais (do 150º ao 180º dia), trouxe os níveis de colesterol, de triglicerídeos, da glicemia de jejum, das concentrações séricas de insulina, de IL-6 e de TNF-α, bem como das concentrações de glicogênio muscular e hepático, a valores comparáveis aos do grupo DP. Adicionalmente o tratamento com HAP (130 mg/kg) promoveu o aumento (p<0,05) nos níveis de HDL-c. Contudo, o tratamento com HA (130 ou 65 mg/kg) ou HAP (130 ou 65 mg/kg) não modificou o peso do tecido hepático, adiposo abdominal ou epididimal. Finalmente, concluímos que a DO induz um quadro característico de SM (obesidade central, dislipidemia, hiperglicemia de jejum, elevados níveis de IL-6 e de TNF-α) em ratos Wistar e que o tratamento com o HAP (130 mg/kg) foi capaz de restabelecer a homeostase glicêmica e lipídica, além de reduzir a liberação de citocinas pró-inflamatórias, que contribuem para o estado de inflamação crônica de baixo grau existente em indivíduos obesos.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/17826
Appears in Collections:Teses de Doutorado - Ciências Farmacêuticas

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Tese_2016_Eryvelton PPGCF_UFPE.pdf2.18 MBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons