Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/17816
Título: Violência e lirismo em Aleijão de Eduardo Sterzi
Autor(es): LIMA, Danuza Kryshna da Costa
Palavras-chave: Violência; Poesia hermética; Aleijão; Eduardo Sterzi; Violence; Hermetic poetry; Aleijão; Eduardo Sterzi
Data do documento: 26-Fev-2016
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Resumo: Tendo em vista o atual cenário de produção poética em nossa literatura, influenciada por novas ideologias estéticas, compromissada com a palavra que não exclui o social – contudo sem extremismos – e de seu desvencilho do possível caráter inspirativo, visamos investigar e apresentar como o texto poético nutrido de um engenhoso trabalho estético consegue apresentar imagens poéticas relativas à violência a partir da leitura e discussão do corpus em análise, Aleijão (2009), de Eduardo Sterzi. Ofereceremos, dessa forma, uma contribuição para a compreensão da obra citada, visando dialogarmos sobre os dispositivos da linguagem na configuração do binômio literatura/real. Nesta temática, torna-se necessário perceber a influência da tradição na produção poética contemporânea como forma de revisitação e aprimoramento do sistema de transformação imagético da poesia, bem como compreender como se estrutura e se define o caráter hermético da poesia contemporânea. Tal investigação será feita mediante análise dos poemas que compõem Aleijão na proporção em que utilizaremos referenciais teóricos que visitam desde o embate ontológico, definido por Emmanuel Levinas (2005) e Paul Ricoeur (2008) às referências que tratem dos temas centrais deste trabalho, como: poesia, teoria literária, leitura de imagens, hermetismo e violência. Dessa forma, far-se-ão necessários o arcabouço teórico de Jaime Ginzburg (2012, 2013), Karl-Erik Schollhammer (2012, 2013), bem como Hugo Friedrich (1978), João Alexandre Barbosa (1986), Fábio Andrade (2010), Octavio Paz (2012, 2013). Ao encerrar de nossas discussões, acerca do estudo da imagem de violência, serão utilizadas as contribuições de Gilbert Durand (1988, 2012), Gaston Bachelard (1986), Jean Chevalier e Alain Gheerbrant (2009). Sendo assim, pretendemos mostrar um estudo que permita uma contribuição para a leitura e a seara crítica da obra de Eduardo Sterzi, através do diálogo comparativo entre a literatura e o entorno social que lhes permite a representação.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/17816
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Teoria da Literatura

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Dissert_DanuzaKryshna-BC.pdf969,07 kBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons