Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/17777
Título: Travestilidade masculina no maracatu rural pernambucano : gênero, ritual e performance em Nazaré da Mata/PE
Autor(es): SILVA, Anderson Vicente da
Palavras-chave: Gênero; Masculinidade; Travestilidade; Performance; Folguedo; Gender; Masculinity; Travestility; Performance; Whoopee
Data do documento: 29-Fev-2016
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Resumo: Este estudo tem por objetivo compreender a travestilidade no maracatu rural em Pernambuco no contexto das relações de gênero e sexualidade. O recorte do campo é uma manifestação popular, que é também um ritual e possibilita evidenciar performances, experiências, práticas e significados, que podem elucidar dimensões subjetivas e ideológicas das relações de gênero e da sexualidade. Na tentativa de aprofundar algumas questões significativas acerca das dimensões sociais evidenciadas na elaboração e performatização de personagens femininos encenados por homens travestidos no maracatu rural pernambucano, buscou-se fazer um estudo etnográfico, com base na observação participante, a partir de aspectos da trajetória de travestilidade de homens brincantes do maracatu nos ensaios e apresentações durante o período carnavalesco. Essa travestilidade se relaciona com a constituição da pessoa, com enfoque nas simbologias e classificações de gênero, originando práticas sexuais normatizadas, que incluem relações com o mesmo sexo e com o sexo oposto, até certo ponto contrastivo com a norma ocidental, que valoriza a heterossexualidade e correspondência sexo/gênero. Os papeis masculinos e femininos no âmbito do folguedo popular do maracatu constituem-se elementos organizativos que reafirmam a diferença entre homens e mulheres nos contextos das relações sociais.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/17777
Aparece na(s) coleção(ções):Teses de Doutorado - Antropologia

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
VERSÃO DIGITAL TESE 2016.pdf11,01 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons