Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/17744
Título: Prevalência e fatores associados à infecção pelo hiv entre usuários de drogas lícitas e ilícitas
Autor(es): SANTOS, Raquel Bezerra Dos
Palavras-chave: Cocaína crack. HIV. Fatores de risco. Centros de reabilitação; Cocaine crack. HIV. Risk factors. Rehabilitation Centres
Data do documento: 8-Abr-2014
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Resumo: Historicamente o HIV entre os usuários de drogas é transmitido com maior frequência através do compartilhamento de agulhas e seringas. No entanto, drogas como o crack e o álcool estimulam comportamentos sexuais inseguros favorecendo a transmissão do vírus por via sexual. A droga predominante no Nordeste do Brasil é o álcool, no entanto esta região concentra o maior número de usuários de crack do país. Desta forma, acredita-se que existe uma alta prevalência da infecção entre os usuários de drogas, inclusive nas cidades do interior do Nordeste. O objetivo deste estudo foi estimar a prevalência e os fatores associados a infecção pelo HIV em usuários de drogas internados ou em atendimento ambulatorial em cinco centros de reabilitação para dependência química em uma cidade de médio porte na Região Nordeste do Brasil. O delineamento do estudo é de corte transversal analisado como caso-controle. Foi conduzido em cinco centros de reabilitação para dependência química na cidade de Caruaru, Pernambuco, Brasil, no período de novembro de 2012 a novembro de 2013. Participaram da pesquisa 561 usuários de drogas lícitas e ilícitas que estavam internados ou em atendimento ambulatorial, sem limite de idade. Todos foram submetidos a uma entrevista e realização de teste rápido de HIV após assinatura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido ou Termo de Assentimento Livre e Esclarecido. O resultado do estudo identificou que a prevalência do HIV entre os usuários de drogas foi de 4,8%. O sexo feminino foi associado de forma independente com o HIV (p = 0,018; OR = 3,19; IC95% = 1,22 – 8,34), assim como a idade da primeira relação sexual (p = 0,012; OR = 1,17; IC95% = 1,03 – 1,33), a troca de sexo por crack (p = 0,031; OR = 2,81; IC95% = 1,10 – 7,19) e ter parceiro que usa crack (p = 0,035; OR = 3,89; IC95% = 1,10 – 13,7). O álcool é consumido por 96,3% dos participantes, mas não houve associação estatística com o HIV, assim como o uso da maconha (86,5%), do crack (82,5%), da cocaína (65,1%) e drogas injetáveis (10%). Embora os participantes do estudo tenham referido o uso de múltiplas drogas ilícitas durante a vida, percebeu-se a maior prevalência do consumo de crack entre eles. Contudo, esta investigação não mostrou associação isolada do crack ou outra droga em relação à infecção pelo HIV. No entanto, o consumo do crack estimula a prática sexual de risco, troca de sexo por crack e sexo comercial, favorecendo a infecção. Este é o primeiro estudo realizado no município de Caruaru, focando a investigação sorológica e os fatores de risco para HIV entre os usuários de drogas da região. Os achados confirmam a necessidade de implantação ou ampliação de unidades de testagem, aconselhamento e tratamento do HIV entre os usuários de droga no município.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/17744
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Ciências da Saúde

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Dissertação SANTOS, RB.pdf1,07 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons