Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/17720
Título: Associação entre polimorfismos genéticos de interleucinas e marcadores de inflamação e de prognóstico em pacientes portadores de sepse
Autor(es): OLIVEIRA FILHO, Romério Alencar de
Palavras-chave: polimorfismos; interleucinas; sepse; inflamação; prognóstico; polymorphisms; interleukins; sepsis; inflammation; prognosis
Data do documento: 29-Fev-2016
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Resumo: A sepse, apesar do melhor entendimento de sua fisiopatologia e da aplicação de novos recursos terapêuticos, diferentes parâmetros clínicos e laboratoriais podem ser associados à mortalidade de pacientes criticamente enfermos, dentre eles as citocinas, como por exemplo, as interleucinas (ILs). Concentrações basais mais elevadas de IL-6 e IL-10, além de polimorfismos genéticos nesses genes estão associadas à evolução desfavorável de disfunção orgânica. O objetivo deste estudo foi avaliar os polimorfismos genéticos das ILs 6 (-634C>G) e 10 (-1082G>A), correlacionando-os aos níveis de biomarcadores inflamatórios e escores prognósticos (APACHE II e SOFA) em pacientes diagnosticado com sepse na UTI do Pronto Socorro Cardiológico de Pernambuco, Recife. Um total de 120 pacientes (incluindo 70 pacientes com sepse e 50 controles) foram analisados. Os níveis de citocinas no plasma foram determinados por citometria de fluxo com kit CBA Th1/Th2. Os Polimorfismos IL10-1082G>A e IL6-634C> G foram estudados por meio de análise PCR-RFLP. Os escores de prognóstico e os níveis de interleucinas foram comparados entre os grupos de pacientes com diferentes genótipos IL6 e IL10. Entre os pacientes incluídos no estudo, o grupo com sepse mostrou pontuações mais altas no APACHE II e SOFA e maiores níveis séricos de IL-6 e IL-10. Os polimorfismos avaliados nas regiões promotoras IL6 e IL10 não tiveram efeito sobre os níveis séricos destas citocinas e não estavam associados à sepse ou com os escores, exceto o alelo G de IL10(-1082) que foi associado com valor de SOFA superior a 7. Portanto, o APACHE II e SOFA foram bons indicadores de mortalidade. Níveis mais elevados de IL-6 e IL-10 foram observados nos pacientes com sepse. Neste estudo, embora o polimorfismo IL6 (-634C> G) não demonstrou estar envolvido no processo de agravamento da sepse, o alelo G do gene IL10 (-1082G>A) agiu como um fator de risco quando relacionado com o escore SOFA. No entanto, como esses genes são muito polimórficos, é necessário estudos mais amplos de associação de escores prognósticos incluindo outros polimorfismos.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/17720
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Biologia Aplicada à Saúde

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
DISSERTAÇÃO FINAL (com ficha catalografica).pdf1,16 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons