Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/17701
Título: Estudo epidemiológico e molecular de infecções ocasionadas por Pseudomonas aeruginosa, Klebsiella spp. E Acinetobacter spp. em pacientes com neoplasias sólidas, internados em um hospital de Recife-PE
Autor(es): JÁCOME, Paula Regina Luna de Araújo
Palavras-chave: Beta-Lactamases; Pseudomonas aeruginosa; Acinetobacter spp.; Klebsiella spp.; Neoplasia; Beta-Lactamases; Pseudomonas aeruginosa; Acinetobacter spp.; cancer.
Data do documento: 16-Dez-2015
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Resumo: Pseudomonas aeruginosa, Klebsiella spp. e Acinetobacter spp. estão entre as cinco principais causas de infecções relacionadas à assistência à saúde (IRAS), e estão associadas a um elevado índice de mortalidade em pacientes oncológicos. Diante da vulnerabilidade destes pacientes e da crescente incidência de patógenos multidroga resistentes (MDR), o presente trabalho teve por objetivo realiza um estudo epidemiológico e molecular de infecções ocasionadas por P. aeruginosa, Klebsiella spp. e Acinetobacter spp. em pacientes com neoplasias sólidas, internados em um hospital de Recife-PE. Para tal, foi realizado um estudo descritivo de corte transversal dos dados clínicos, microbiológicos e hospitalares e os genes de resistência blaSPM-1, blaIMP, blaVIM, blaKPC, blaTEM e blaCTX-M, foram investigados por meio da reação em cadeia da polimerase. Também foi realizada tipagem molecular dos isolados MDR utilizando a técnica Enterobacterial Repetitive Intergenic Consensus-based PCR (ERIC-PCR). Entre 2012 e 2014, foram obtidos 169 isolados, sendo 58 P. aeruginosa, 36 Acinetobacter spp. e 75 Klebsiella spp.. A frequência de patógenos MDR (69,6%, IC95% 61,5% - 76,9%) foi significativamente maior que os isolados não MDR (30,4%, IC95% 23,1% - 38,5%). Dentre as bactérias resistentes aos carbapenêmicos, o gene blaSPM-1 foi detectado em P. aeruginosa (35,5%) e Acinetobacter spp. (3,8%), e o gene blaKPC detectado apenas em P. aeruginosa (25,8%). Já entre os isolados resistentes às cefalosporinas de terceira e quarta geração, o gene blaTEM estava presente em Acinetobacter spp. (25,9%) e Klebsiella spp. (30,6%) e o gene blaCTX-M em 58,3% das Klebsiella spp.. Também foi observado que o câncer de pulmão e os pacientes do sexo masculino foram predominantes na amostra e que o uso prévio de antimicrobianos durante o internamento e até três meses antes do isolamento do patógeno descrito neste estudo, apresentaram associação com o desenvolvimento de infecções por patógenos MDR. Assim, os resultados encontrados podem contribuir com epidemiologia molecular dos genes de resistência presentes no ambiente hospitalar, além de ressaltar a importância da monitorização contínua das IRAS em pacientes com câncer internados por longos períodos, a fim de melhorar os cuidados prestados a estes pacientes.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/17701
Aparece na(s) coleção(ções):Teses de Doutorado - Medicina Tropical

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
00 TESE PAULA Doc Final VD-30-03-2016 Com Ficha cat.pdf3,21 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons