Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/17647
Título: Fadiga, qualidade de vida e imagem corporal em mulheres com e sem linfedema pós-mastectomia unilateral e sem reconstrução mamária: estudo de corte transversal
Autor(es): RIBEIRO, Paula Drielly de Melo
Palavras-chave: Síndrome da fadiga crônica; Qualidade de vida; Imagem corporal; Mastectomia; Linfedema; Fatigue syndrome chronic; Quality of life; Body image; Mastectomy; Lymphedema
Data do documento: 20-Jul-2015
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Resumo: O tratamento pós-cirúrgico do câncer de mama pode levar à fadiga e se persistir de forma crônica compromete o desempenho nas atividades diárias e interfere na qualidade de vida. Além disso, a mastectomia pode causar alteração na imagem corporal (IC) e ser agravada com a presença do linfedema. Esse estudo teve como objetivo comparar a diferença no nível de fadiga (F), qualidade de vida (QV) e (IC) em mulheres pós-mastectomizadas unilateralmente e sem reconstrução mamária, bem como verificar se há associação de algumas variáveis sociodemógraficas, biológicas e clínicas com a F, QV e IC. Através de um estudo de corte transversal realizado com mulheres mastectomizadas unilateralmente dois questionários específicos foram utilizados: functional assessment of cancer therapy- fatigue (FACT-F) para a F e QV e body image scale (BIS) para a IC. O linfedema foi mensurado pela volumetria indireta. Os grupos foram comparados através do teste T-Student independente e o teste Qui-quadrado de Pearson (P≤0,05). Para verificar a associação entre as variáveis, foi utilizado um modelo de regressão linear. Foram avaliadas 54 mulheres, sendo 27 com linfedema. As mulheres com linfedema apresentaram média de idade maior e índice de massa corpórea (IMC) menor do que as mulheres sem linfedema (p<0,02). A F, QV e IC foram satisfatórias em ambos os grupos e não houve diferença estatística entre elas. A F, QV e IC foram satisfatórias em ambos os grupos e não houve diferença estatística entre elas. A fadiga foi influenciada inversamente pela idade das pacientes; a QV foi associada com o tempo pós-cirúrgico, idade e IMC e a IC em pacientes com linfedema foi influenciada inversamente pela idade e proporcionalmente pelo tempo de fisioterapia. Conclui-se que fatores como idade, tempo de pós-cirúrgico, IMC e tempo de fisioterapia interferem na F, QV e IC das pacientes pós-mastectomia. Salientando ainda que a prática regular da fisioterapia pode ter sido responsável pelos parâmetros baixos da fadiga, imagem corporal bem como pouca alteração na QV.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/17647
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Fisioterapia

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Dissertação- Formato Digital.pdf1,02 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons