Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/17556
Título: Avaliação da presença e expressão de genes de virulência e mecA em isolados de Staphylococcus spp submetidos à oxacilina e tigeciclina
Autor(es): MANGUEIRA, Eduarda Vanessa Cavalcante
Palavras-chave: Staphylococcus;Virulência;Antimicrobianos;Staphylococcus;Virulence.;Antimicrobials
Data do documento: 29-Fev-2016
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Resumo: Devido à crescente resistência de isolados clínicos de Staphylococcus spp. a antimicrobianos e a consequente diminuição de opções terapêuticas eficazes, este estudo investigou a influência in vitro de sub-Concentrações Inibitórias Mínimas (sub-CIM) de oxacilina e tigeciclina, isoladamente e em combinação, no crescimento bacteriano e na expressão dos genes mecA, ica e tst em isolados clínicos de Staphylococcus spp.Para realização da primeira etapa deste estudo 45 isolados,identificados quanto a espécie de Staphylococcus spp. e susceptibilidade pelo Vitek2, foram obtidos de dois hospitais públicos de Recife-PE e avaliados pelas técnicas de MALDI-TOF MS e sequenciamento do rDNA 16S para confirmação das espécies bacterianas. A relação clonal dos isolados de Staphylococcus spp. foi determinada pela análise da Região Intergênica 16S-23S para posterior determinação do tipo de SCCmec e do perfil de virulência. O MALDI-TOF MS e sequenciamento do 16S se mostraram mais concordantes na identificação das espécies bacterianas quando comparadas ao Vitek2, sendo identificados isolados de Staphylococcus aureus, S. epidermidis, S.hominis, S. haemolyticus e S. saprophyticus. Trinta e um ribotipos foram determinados, demonstrando grande variabilidade genética. Os ribotipos foram encontrados dispersos nos diferentes setores dos dois hospitais investigados. A maioria dos isolados apresentaram SCCmec tipo IV (51%), seguido pelo tipo III (26%), tipo II (16%) e tipo V (7%). Foi possível encontrar nove perfis de virulência, onde o gene luk foi observado em 80% dos isolados, seguido de 51% para o gene ica, 35,5% para o hlg e 33,3% para o tstratificando a crescente evidência da presença de isolados tradicionalmente comunitários no ambiente hospitalar. Na segunda fase do estudo quatro isolados clínicos com diferentes tipos de SCCmece baixa relação clonal foram analisados in vitro para a determinação da CIM frente a oxacilina e tigeciclina. A influência in vitro destes antimicrobianos no crescimento bacteriano foi avaliada isoladamente e em associação, assim como a expressão dos genes mecA, ica e tst por RT-qPCR. O ensaioin vitro dos diferentes isolados de Staphylococcus spp. frente a tigeciclina associada à oxacilina resultou em inibição de crescimento bacteriano maior em relação a utilização isolada dos antimicrobianos, além de não influenciar ou diminuir a expressão de todos os genes analisados, dando suporte à ideia de que o uso associado da tigeciclina e oxacilina no tratamento de infecções por isolados MRS portadores dos genes tst e ica possivelmente poderiam promover benefícios na modulação destes genes.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/17556
Aparece na(s) coleção(ções):Teses de Doutorado - Medicina Tropical

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Tese_EDUARDA_versãoFinalDigital.pdfTESE2,6 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons